Aikidô para Crianças

16/04/2012

x

O Aikidô é um instrumento importante no processo de desenvolvimento dos mais novos. Tendo como origem os movimentos de auto-defesa, permite-se às crianças desenvolverem uma melhor relação com o espaço que as rodeia, com os outros, e, fundamentalmente, adquirir uma maior consciência do seu próprio corpo.

Através dos movimentos circulares próprios do Aikidô, a criança aprenderá a coordenar e controlar melhor os seus movimentos, bem como a descobrir as suas capacidades e limites físicos. Aprenderá a cair e levantar-se em segurança e que a queda é sempre uma oportunidade de começar um novo movimento; aperceber-se-á do corpo de uma forma diferente e aprenderá a usá-lo de maneira benéfica.

O treinamento constante leva o aluno a perceber o valor da integridade física do parceiro de prática; que um ataque, no Aikidô, não é mais que uma oferta que alguém faz para a evolução conjunta e que todos aprenderão a aplicar, na medida certa, a sua energia.

x

BENEFÍCIOS COM A PRÁTICA

Corpo:

Promove uma melhor circulação da energia pelo corpo, facilitando a irrigação sanguínea e o bom funcionamento de todos os órgãos. Em paralelo, a prática do Aikidô educa o corpo a se movimentar de forma natural e sem esforço, respeitando a constituição e os limites de cada praticante. Como benefícios observam-se:

      · Flexibilidade;

      · Leveza;

      · Agilidade;

      · Equilíbrio;

      · Postura.

Mente e Espírito:

Os benefícios aproveitados por cada praticante de Aikidô são inúmeros e variam entre indivíduos. Os mais ansiosos tendem a se tornam mais calmos, os briguentos tendem a se tornar mais compreensivos, os medrosos passam a ter mais confiança, os tímidos começam a se expressar melhor, em suma, tem-se o acréscimo da auto-estima dos participantes.

Entre os benefícios emocionais temos:

      · Confiança;

      · Atenção;

      · Calma;

      · Satisfação;

      · Coragem;

      · Respeito;

      · Disciplina.

Percepção de si:

Gradualmente, a prática do Aikidô provoca mudanças na consciência sobre si mesmo, sobre a vida e sobre os outros. Alguns novos valores são incorporados e a percepção sobre certo e errado, amizade, futuro, realização, integridade, comunidade e mundo, vão ganhando novos significados.

Entre os benefícios na forma de pensar temos:

      · Maior abertura ao novo e ao diferente;

      · Aprendizagem de novas culturas;

      · Introdução ao pensar sistêmico;

      · Visão mais cooperativa que competitiva.

X

Em Natal/RN tem o Projeto Aikidô.

Veja o Álbum do Projeto Aikidô.

X

Colaboração:

www.impressione.wordpress.com

x

x


Projeto Aikidô – Exame de Faixa e Bonenkai – Dezembro de 2011

10/12/2011

O Projeto Aikidô da Escola Municipal São Francisco de Assis, em Natal/RN, realizou nesta manhã do dia 10/12/2011, mais um exame de faixa e bonenkai.

O evento contou com a presença de todos os voluntários do Projeto Aikidô – Vinicius Brasil, Guilherme Lemos, Mirela Monteiro e Mayra Liege – além dos aikidocas convidados: Paulo Wanderley, CrisB, Mariana Holschuh e Ramon, da Academia Central de Aikidô de Natal, e Sensei Tarciso da Academia Central de Aikidô de Parnamirim.

O Blog I M P R E S S Õ E S – A I K I D Ô parabeniza os novos graduados pela bela apresentação e agradece à direção da Escola Municipal São Francisco de Assis pelo importantíssimo apoio ao trabalho voluntário e ao Aikidô.

x

Veja AQUI as fotos do Exame de Faixa e do Bonenkai do Projeto Aikidô.

x

Colaboração: www.impressione.wordpress.com

x


Profissionais das Artes Marciais X CONFEF – Mais uma decisão

05/08/2011

A decisão que segue vale até que lei federal regulamente a matéria.

O Juiz Federal Edmilson Pimenta, da 3ª Vara, julgou procedente a Ação Civil Pública e determinou ao Conselho Regional de Educação Física da 13ª Região, que abrange os estados de Sergipe e Bahia, que se abstenha de exigir o registro e a inscrição dos profissionais das artes marciais junto à entidade, até que lei federal regulamente a matéria. O magistrado determinou, ainda, que o Conselho dê notoriedade à sentença, providenciando a sua publicação em jornal de grande circulação nos referidos estados.

A demanda jurídica recai na legalidade ou não da exigência feita pelo Conselho Regional de Educação Física da 13ª Região, no sentido de obrigar os instrutores de artes marciais que trabalham nos dois estados a cadastrarem-se em seu quadro para que possam exercer legalmente a profissão.

Segundo o juiz, a Lei nº 9.696/98, que regulamenta a profissão de Educação Física, indica quais são os profissionais sujeitos à inscrição nos quadros dos Conselhos Regionais de Educação Física. Sendo assim, não pode uma Resolução do Conselho Federal (CONFEF nº 046/2002) alargar o rol de profissionais submetidos à inscrição compulsória nos quadros dos Conselhos Regionais de Educação Física, para abarcar também os instrutores de artes marciais.

O art. 1º da aludida resolução é por demais genérico, incluindo qualquer atividade que demande movimento corporal, até mesmo atividades recreativas e de lazer, desvirtuando e alargando, indevidamente, o sentido da Lei nº 9.696/98”, esclareceu o juiz.

Fundamentado em jurisprudência atual e reiterada, o magistrado concluiu que “não se justifica o enquadramento das artes marciais nas atividades próprias dos profissionais de Educação Física apenas porque são executados movimentos corporais concatenados. Do contrário, os profissionais versados nas artes marciais também possuiriam autorização para ministrar aulas em cursos superiores de Educação Física, e isso efetivamente não ocorre, o que comprova a diversidade das áreas aqui tratadas.

Colaboração: www.trf5.jus.br


Projeto regulamenta prática e ensino de lutas e artes marciais – Por Rodrigo Bittar

17/04/2011

O instrutor deverá ter título similar a faixa preta, reconhecido por organização estadual ou federal. A proposta dispensa certificação de nível técnico ou universitário.

A Câmara analisa o Projeto de Lei 7890/10, do deputado Roberto Santiago (PV-SP), que cria regras para o ensino e a prática de lutas e artes marciais.

A proposta considera artes marciais, entre outras, aikidô, capoeira, iaidô, hapkidô, judô, jiu-jitsu, karatê, kendô, kenjutsu, kyudô, kung-fu, muay thay, sumô, taekwondô e tai chi chuan. Já as lutas são boxe, luta livre, luta greco-romana, kick boxing, full contact e similares.

Para se profissionalizar nas práticas, o atleta deverá obter a condição mínima de faixa preta ou título similar concedido por organização estadual ou federal que represente, oficialmente, a respectiva arte marcial ou luta.

Pela proposta, essa organização estadual ou federal fica desobrigada a se filiar a entidade oficial do país de origem da atividade, e o profissional é dispensado de obter qualquer curso de nível técnico ou universitário.

Só profissionais poderão ser considerados instrutores de artes marciais e de lutas. Eles terão entre suas competências:

– oferecer aulas teóricas e práticas da modalidade na qual for graduado, zelando pela correta informação, não apenas dos aspectos técnicos e mecânicos dos movimentos marciais, mas também dos fundamentos filosóficos e dos fatos históricos que deram origem à arte ou à luta;

– organizar, coordenar, dirigir e executar treinamentos, aulas demonstrações e seminários; e

– planejar, regulamentar e executar competições.

A prática e o ensino das artes marciais e de lutas deverão ficar restritas ao interior das academias, associações, clubes ou entidades públicas ou particulares criados ou destinados para tal fim, dotados de instalação e material apropriados. Essa exigência não é feita para a realização de demonstrações, seminários e simpósios ou competições em locais públicos autorizados pelas autoridades competentes.

Requisitos de funcionamento:

O projeto estabelece as seguintes exigências para o funcionamento dos estabelecimentos de prática e ensino de artes marciais e lutas:

– o ensino deve estar a cargo de profissional habilitado;

– o responsável técnico deve ter certificado de nível médio de ensino e de noções básicas sobre anatomia humana e primeiros socorros;

– as respectivas federações ou confederações deverão ser informadas sobre as promoções nos exames de graduação, para efeito de controle e de fiscalização;

– deverão privilegiar a formação humanista, o caráter e o espírito de cidadania, de sociabilidade e de solidariedade dos praticantes;

– deverão considerar o cuidado com a preservação da integridade e saúde física e o equilíbrio psíquico dos praticantes.

Pela proposta, o aluno interessado em se matricular em academias, associações, clubes ou demais entidades de ensino e prática de artes marciais e de lutas deverá apresentar atestado médico de capacitação física.

Por fim, o projeto estabelece que os profissionais de artes marciais ou de lutas, sejam ou não os responsáveis técnicos pela academia, assim como os instrutores e auxiliares de ensino, são solidariamente responsáveis por quaisquer danos (material ou moral) que venham a causar aos alunos e à sociedade como um todo.

Estudos comprovam os benefícios para a saúde física e mental com a prática de artes marciais e de lutas, além de ser, também, importante instrumento de inclusão social”, argumenta o deputado.

Por outro lado, a prática e o ensino inadequados dessas atividades podem levar a lesões físicas ou mesmo à deformação do caráter de seus praticantes, ao invés de edificá-los. Além disso, o treinamento desportivo de alto nível precisa ser planejado e realizado de acordo com as informações científicas mais atualizadas”, conclui.

Tramitação:

O projeto tramita apensado ao Projeto de Lei 2889/08, que cria os conselhos federal e regionais de profissionais de artes marciais. As propostas serão analisadas, em caráter conclusivo, pelas comissões de Turismo e Desporto; de Trabalho, de Administração e Serviço Público; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da Proposta:

PL-7890/2010

 

Colaboração: Agência Câmara de Notícias – www2.camara.gov.br/agencia


Projeto Aikidô em Brasília/DF – Fotos da Apresentação

19/06/2010

 

Veja no link abaixo algumas fotos da apresentação do Projeto Aikidô da Escola Municipal São Francisco de Assis na I Mostra do Programa de Saúde na Escola e IV Mostra de Saúde e Prevenção nas Escolas em Brasília/DF nos dias 13 a 15 de Junho de 2010.

Veja as fotos no link abaixo:

www.flickr.com/projetoaikidoemsfa

Colaboração: www.impressione.wordpress.com


Projeto Aikidô na Boca do Mundo

19/06/2010

 

O site www.nabocadomundo.com citou em suas notícias a participação do Projeto Aikidô da Escola Municipal São Francisco de Assis nas mostras da saúde e educação em Brasília de 13 a 15 de junho de 2010.

Veja a matéria no link abaixo:

http://www.nabocadomundo.com/noticias/visualizar/24457/escola_representa_natal_em_evento_nacional 

Colaboração: www.impressione.wordpress.com


Escola representa Natal em evento nacional – Projeto Aikidô

15/06/2010

Mais notícias do Projeto Aikidô no site da Prefeitura do Natal, segue:

Data de publicação: 14/06/2010 10:48

Link para o original: http://www.natal.rn.gov.br/noticia/ntc-3409.html

A Escola Municipal São Francisco de Assis, no bairro Nazaré, está participando da I Mostra Nacional do Programa Saúde na Escola e da IV Mostra Nacional de Saúde e Prevenção nas Escolas, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília/DF. O evento começou ontem e se encerra nesta terça-feira, 15.

A participação da escola é através do Projeto Aikidô Contra a Violência. Profissionais de saúde, professores, estudantes e movimentos sociais que atuam na área de educação terão a oportunidade de discutir questões como saúde sexual e reprodutiva, qualidade de vida e saúde, entre outros, com ênfase na troca de experiências relacionadas à atenção e promoção da saúde. A mostra é organizada pelos Ministérios da Saúde e da Educação em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde no Brasil (OPAS), a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

As gestoras da Escola Municipal São Francisco de Assis, a diretora Maria da Natividade Moura e a vice-diretora Roselane Praxedes foram as grandes incentivadoras para os voluntários do Projeto Aikidô participarem da mostra. No Brasil foram classificados 631 trabalhos para serem apresentados de forma Oral, Pôsteres ou fazer parte do CD alusivo aos eventos.

Projeto Aikidô.

O projeto é um trabalho voluntário em prol das crianças da EM São Francisco de Assis, do bairro de Nazaré, Zona Oeste de Natal. Consiste na prática da arte marcial do Aikidô e de sua filosofia, reforço em português e matemática, acompanhamento nutricional e recreação. Acontece na sede da escola, sob a responsabilidade do advogado Marcus Vinicius Andrade Brasil, 3º Dan de Aikidô (faixa-preta 3º grau), pelo estudante universitário Guilherme Augusto da Silva Lemos, 1º Kyu (faixa-marrom) de Aikidô e a nutricionista Mayra Liege da Silva Lemos.

O objetivo é afastar as crianças da rua, de ambientes hostis, das más companhias e do ócio, apresentá-las a outras formas de ver o mundo. Auxilia no aprendizado das matérias da escola e orienta quanto à alimentação, sem deixar de lado o divertimento e as brincadeiras inerentes à idade.

São atendidas 25 crianças, nos sábados, das 7h30mim às 12h. Nos meses de férias escolares, janeiro, fevereiro e julho, as crianças participam de três treinos semanais (quartas, sextas e sábados). A medida foi necessária em virtude da falta de ocupação por parte dos alunos no período de férias e pela ociosidade da escola no mesmo período. “Os três treinos semanais estão surtindo grande efeito, como melhoria técnica no Aikidô, menos crianças nas ruas, utilização dos aparelhos da escola – tatames e quadra de esportes – e maior contato entre as crianças participantes do projeto e os voluntários”, disse Marcus Vinicius Andrade Brasil.

Colaboração: WWW.natal.gov.br


Fotos do Projeto Aikidô da E.M. São Francisco de Assis – Natal/RN

31/05/2010

A pedidos, segue link para as fotos do Projeto Aikidô da Escola Municipal São Francisco de Assis, Nazaré, Natal/RN.

http://www.flickr.com/photos/projetoaikidoemsfa/

 

Colaboração: www.impressione.wordpress.com


Projeto Aikidô da Escola Municipal São Francisco de Assis pela Internet

27/05/2010

Notícias do Projeto Aikidô da Escola Municipal são Francisco de Assis, em Natal/RN, se espalham pela Internet.

No site ClicRN

http://www.clicrn.com.br/noticias,179006,4,escola+sao+francisco+de+assis+participa+de+evento+nacional.html

No site iParaíba

http://www.iparaiba.com.br/noticias,179006,4,escola+sao+francisco+de+assis+participa+de+evento+nacional.html

No site da Prefeitura do Natal

http://www.natal.rn.gov.br/noticia/ntc-3240.html

 

Colaboração: www.impressione.wordpress.com


Projeto Aikidô da Escola Municipal São Francisco de Assis no site da Prefeitura do Natal

25/05/2010

 

Escola São Francisco de Assis participa de evento nacional

Link para o Original: http://www.natal.rn.gov.br/noticia/ntc-3240.html

A Escola Municipal São Francisco de Assis, por meio do Projeto Aikidô, irá participar nos dias 13 a 15 de junho da I Mostra Nacional do Programa Saúde na Escola e da IV Mostra Nacional de Saúde e Prevenção nas Escolas, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília/DF.

Sua participação será através do Projeto Aikidô Contra a Violência, classificado entre os que representaram Natal, sendo três para apresentação Oral – onde o Projeto Aikidô se insere; quatro para apresentação de Pôster e um trabalho para participar do CD do evento.

Profissionais de saúde, professores, estudantes e movimentos sociais que atuam na área de educação terão a oportunidade de discutir questões como saúde sexual e reprodutiva, qualidade de vida e saúde, entre outros, com ênfase na troca de experiências relacionadas à atenção e promoção da saúde. A mostra é organizada pelos Ministérios da Saúde e da Educação em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde no Brasil (OPAS), a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

As gestoras da Escola Municipal São Francisco de Assis, a diretora Maria da Natividade Moura e a vice-diretora Roselane Praxedes foram as grandes incentivadoras para os voluntários do Projeto Aikidô participarem da mostra. No Brasil foram classificados 631 trabalhos para serem apresentados de forma Oral, Pôsteres ou fazer parte do CD alusivo aos eventos.

Projeto Aikidô

O projeto é um trabalho voluntário em prol das crianças da EM São Francisco de Assis, do bairro de Nazaré, Zona Oeste de Natal. Consiste na prática da arte marcial do Aikidô e de sua filosofia, reforço em português e matemática, acompanhamento nutricional e recreação. Acontece na sede da escola, sob a responsabilidade do advogado Marcus Vinicius Andrade Brasil, 3º Dan de Aikidô (faixa-preta 3º grau), pelo estudante universitário Guilherme Augusto da Silva Lemos, 1º Kyu (faixa-marrom) de Aikidô e a nutricionista Mayra Liege da Silva Lemos.

O objetivo do projeto é afastar as crianças da rua, de ambientes hostis, das más companhias e do ócio, apresentá-las a outras formas de ver o mundo. Auxilia no aprendizado das matérias da escola e orienta quanto à alimentação, sem deixar de lado o divertimento e as brincadeiras inerentes à idade.

Atualmente o projeto Aikidô atende em média 25 crianças, nos sábados, das 7h30mim às 12h. Nos meses de férias escolares, janeiro, fevereiro e julho, as crianças participam de três treinos semanais (quartas, sextas e sábados). A medida foi necessária em virtude da falta de ocupação por parte dos alunos no período de férias e pela ociosidade da escola no mesmo período. “Os três treinos semanais estão surtindo grande efeito, como melhoria técnica no Aikidô, menos crianças nas ruas, utilização dos aparelhos da escola – tatames e quadra de esportes – e maior contato entre as crianças participantes do projeto e os voluntários”, disse Marcus Vinicius Andrade Brasil.

Data de publicação: 25/05/2010 13:56 em www.natal.rn.gov.br

Colaboração: www.natal.rn.gov.br


Aikidô e o Princípio da Mente Vazia – MUSHIN – Por Marcus Vinicius Andrade Brasil

31/03/2010

Aquele que se aventura aos estudos das artes marciais, seja ela qual for, se depara, na maioria das vezes, com termos até então estranhos ao seu cotidiano. O próprio termo DO (caminho), termo presente no nome da maioria das artes japonesas – marciais ou não – como Kyudô, Karatê-Do, Judô, Shodô e também no Aikidô, além de indicar caminho, senda, é indicação de algo muito mais amplo, que seja, a própria vivência, a busca, o espírito incessante de se chegar próximo à perfeição naquilo que se propôs a fazer. É na realidade uma situação mais espiritual que física.

No Aikidô, dentre os termos usados tem um, em particular, que é pouco falado na sua literatura específica, mas bem difundido nos escritos Zen e sempre citado nas classes de Aikidô durante os treinos – O Mushin.

O Mushin, em sua etimologia, nasce da união de dois kanjis – Mu, vazio ou nulo e Shin, coração ou mente. Em tradução livre pode-se dizer que Mushin é mente vazia. Quem, em classes de Aikidô, nunca ouviu o Sensei falar em deixar a mente vazia?  Na maioria das vezes o mestre explica que se deve deixar a mente vazia, não pensar em nada (bem difícil para os ocidentais); não se ater a partes e ao mesmo tempo ver o todo. Explica ainda que se deve aguardar a ação do colega de mente vazia (não esperar nada de forma pré-estabelecida) e que em vista de tal atitude vem a facilidade na aplicação da técnica, pois o praticante não se atém a determinada forma e nem a determinada atuação do outro, fazendo o movimento fluir assim como os pensamentos, ou seja, deixa passar o ataque e adequar a defesa.

Mushin foi definido pelos estudiosos do Zen como um estado de consciência inconsciente ou de inconsciência consciente, o indivíduo está presente e ausente ao mesmo tempo. O vazio é o não apego, é a concentração no todo e não na parte, é o adequar-se, é, a grosso modo, o “fazer no automático”.

E como se chega ao Mushin? Como se chega ao ponto de fazer sem sentir o que faz? (Observe-se que não sentir o que se está fazendo não está ligado com a inconsciência pura, a consciência está adormecida, mas presente e sem interferir na ação). Como em todas as artes, é com o treino perseverante. Já disse em outras épocas o Guerreiro Espadachim Miyamoto Musashi: “tempere a si mesmo com mil dias de pratica e refine-se com dez mil dias de treinamento”.

Assim, partindo-se do pressuposto que não se deve, no Aikidô, separar a mente e corpo, e que o praticante deve estar integral na prática da arte, a percepção do Mushin vem a ser bem difícil.

Vê-se que o Mushin não pode se dissociar e passar para uma disciplina essencialmente mental ou essencialmente física. Não se pode atingir o Mushin através da razão pura e simples. No Mushin a mente não se prende a pensamentos, eles vêm e vão, a consciência passa a fluir livremente, de objeto a objeto, de sensação a sensação. Também não se deve controlar o corpo pela mente. O termo mente vazia determina que ela nunca está ocupada com uma determinada idéia, com concepção ou distinção, pelo contrário, por ela tudo passa e nada se fixa.

No Aikidô usamos o Mushin, e também podemos chegar ao Mushin através dele.  A fixação em pensamentos é uma tentação. Com o treinamento constante da arte do Aikidô podemos, com a prática, eliminar os pensamentos na aplicação das técnicas. O treinamento constante leva ao desprendimento e a simples atitude do fazer. É o “algo” que age, dogma difundido no Zen e no Cristianismo – “não sou eu que faço as obras, é o pai que as faz em mim; eu, de mim, nada posso fazer”. O treinamento constante da mente e do corpo leva o Aikidoca simplesmente a fazer o que deve ser feito e não conjecturar se deve fazer ou não.

No treinamento, cada ataque e cada defesa levam o praticante a se familiarizar com os movimentos e cada nova tentativa é uma chance de se não pensar em nada e agir. O praticante que fica a remoer uma técnica, seja bem ou mal aplicada e que poderia ter feito desta ou daquela forma, não está em conformidade com o Mushin. O Aikidoca que faz a movimentação de forma fraca e temerária vai levar esta fraqueza para a próxima tentativa; e se fez a movimentação de forma brilhante e objetiva também levará tal sensação para o próximo passo. De uma forma ou de outra será influenciado na aplicação da nova técnica que virá. Mas o Aikidoca que deixa a técnica, mal ou bem executada, de lado e parte para nova tentativa, livre de intenções e de definições, do início, e de mente limpa para a nova e única experiência, este sim, está no caminho do Mushin.

No Livro a Arte Cavalheiresca do Arqueiro Zen , o autor, Eugen Herrigel, descreve um estado que se observa, sem muito esforço, como sendo o Mushin:

Não se pensa em nada de definido, quando nada se projeta, deseja ou espera, e que não se aponta em nenhuma direção determinada… esse estado fundamental livre de intenção e do eu, é o que o mestre chama de espiritual

O Mushin “surge” quando o Aikidoca, que age, está separado do seu ato e os pensamentos não interferem no que ele faz. O ato (físico) inconsciente (mente) é o mais livre e descontraído de todos. Deixar a mente fluir, não se ater a partes ou pensamentos leva a respostas instintivas e prontas.

Na prática, quando se pensa em exibir perícia ou fazer uma bela apresentação diante dos mestres, o consciente do Aikidoca interfere no desempenho do físico e este vem a cometer erros. É necessário se eliminar da mente a sensação de que se está fazendo aquilo. A mente precisa mover-se entre as técnicas e suas passagens de forma que não se atenha nem nelas, nem na platéia e nem no colega que junto está na apresentação. No instante em que o Aikidoca está consciente do que está tentando, a fina força, fazer, o equilíbrio se desfaz e este simples momento de desarmonia interrompe o fluxo da movimentação. A atenção demasiada em algum ponto fará o Aikidoca se fixar naquilo que é apenas passageiro e assim travar o movimento.

O Mestre Zen Takuan Soho, em sua obra a Mente Liberta – Escritos de um Mestre Zen ao um Mestre de Espada – fala sobre o poder negativo de se prender a mente em um ponto.

“Se a pessoa situa sua mente na ação do corpo do oponente, sua mente será capturada pela ação do corpo do oponente”. 

Então, onde situar a mente? O próprio Takuan responde:

“Se não a situares em lugar nenhum, ela irá todas as partes do teu corpo e o preencherá inteiramente”.

E continua:

“Se tu te decidires por algum lugar e lá situares a mente, ela será capturada por este lugar e perderá sua função. Se a pessoa pensar, ela será capturada por seus pensamentos. Portanto, deixa de lado os pensamentos e a discriminação, lança a mente para fora do corpo inteiro e não a fixe nem aqui nem lá; então, quando ela visitar os vários lugares, ela realizará a função própria e agirá sem erro”

A mente presa é a uma das maiores armadilhas em que o artista marcial pode cair. Para não se prender nisso ou naquilo, em movimentos ou técnicas, em platéias ou no ego, além do treinamento árduo e a prática constante, há de se haver o desprendimento da mente na ação – O Mushin.

Por fim, observamos que o Mushin, além de importante princípio a ser seguido é atitude difícil de ser adquirida, é um princípio importante na prática marcial do Aikidô, mas, em contrapartida, atitude rara de ser observada. O treinamento constante, a prática reiterada das técnicas e o desprendimento na execução são formas de deixar a mente fluir e que podem levar ao Mushin. E você, já atingiu o Mushin?

*

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

HERRIGEL, Eugen – A Arte Cavalheiresca do Arqueiro Zen – Tradução do Inglês para o Português por J. C. Ismael – Ed. 23ª, 2009 – Editora pensamento – São Paulo/SP.

HYAMS, Joe – O Zen nas Artes Marciais – Tradução do Inglês para o Português por Cláudio Giordano – Ed. 1ª, 1992 – Editora pensamento – São Paulo/SP.

KUSHNER, Kenneth – O Arqueiro Zen e a Arte de Viver – Tradução do Inglês para o Português por Paulo César de Oliveira – Ed. 2ª, 1992 – Editora Pensamento – São Paulo/SP.

SOHO, Takuan – A Mente Liberta – Escritos de um Mestre Zen a um Mestre da Espada – Tradução do Japonês para o Inglês por William Scott Wilson – Tradução do Inglês para o Português por Marcelo Brandão Cipolla – Ed. 1ª, 1998 – Editora Cultrix – São Pulo/SP.

*

* Marcus Vinicius Andrade Brasil é graduado em Aikidô (Faixa-Preta 4º Grau – Yondan) pela Academia Central de Aikidô de Natal

*

Colaboração:

www.impressione.wordpress.com

www.aikidorn.com.br

*


Projeto Aikidô – Escola Municipal São Francisco de Assis – Yasugi Aikidô Dojô

21/03/2010

Na manhã do sábado, 20/03/2010, a Escola Municipal São Francisco de Assis esteve mais uma vez em festa; aconteceu a primeira Troca de Faixa do Projeto Aikidô. Oito Aikidocas do Projeto, dentre os participante, foram avaliados e receberam promoção à faixa-amarela (5º Kyu).

A Banca Examinadora foi composta por 04 (quatro) membros graduados Faixa-Preta em Aikidô do Estado do RN: Sensei Sérgio Pellissari (3º Dan Aikikai) representando a Academia Central de Aikidô de Natal; Israel Lima Jr. (3º Dan Aikikai); Paulo Wanderley (1º Dan Aikikai) e Vinicius Brasil (3º Dan Aikikai) e responsável pelo Projeto Aikidô da Escola Municipal São Francisco de Assis.

Aproveitando as festividades do evento de Troca de Faixa foi divulgado aos presentes o nome e a logomarca do Dojô responsável pelos treinamentos de Aikidô na Escola Municipal São Francisco de Assis, YASUGI Aikidô Dojô.

Ainda na festividade, foram homenageadas com certificados de reconhecimento, os participantes da Banca Examinadora, bem como, a Diretora da Escola Municipal São Francisco de Assis, Maria da Natividade Moura Rodrigues e a Vice-Diretora, Roselane Praxedes, pelo bom trabalho e pelo apoio ao Projeto Aikidô e seus Voluntários.

YASUGI Aikidô Dojô

Nome em homenagem ao Mestre em Aikidô, o Sr. Reishin Kawai (conhecido no meio do Aikidô Nacional por Kawai Sensei), pessoa que foi designada pelo Hombu Dojo – Central de Aikidô no Japão – para difundir o Aikidô no Brasil e na América do Sul.

Nascido no Japão, na cidade de YASUGI, prefeitura de Shimane e falecido em janeiro deste ano em São Paulo/SP, Kawai Sensei representou no Brasil o Aikidô de Morihei Ueshiba durante 46 anos.

Assim, em reconhecimento e respeito ao Mestre Reishin Kawai, ficou determinado que o Dojô teria o nome de sua cidade natal, Yasugi, e se chamaria YASUGI AIKIDÔ DOJÔ.

Projeto Aikidô

Trabalho Voluntário, em prol das crianças do bairro de Nazaré e Bom Pastor (Natal/RN), nas dependências da Escola Municipal São Francisco de Assis, promovido por Marcus Vinicius Andrade Brasil, Advogado no RN, 3º Dan de Aikidô e Guilherme Augusto da Silva Lemos, Universitário, 1º Kyu (Faixa-Marrom) de Aikidô.

Promovidos para 5º Kyu – Faixa Amarela – no 1º Exame de Faixa do YASUGI Aikidô Dojô.

Alan Gustavo Pessoa Machado

Alyson Augusto Pessoa Machado

Josemar Veríssimo da Silva Júnior

Joyce Karoline dos Santos Hermógenes

Manoel Rafael da Silva Gomes

Maria Luiza Silva da Costa

Wesley Mateus da Silva

Weslley Leandro da Silva Freire

Para Informações sobre o Projeto Aikidô – YASUGI Aikidô Dojô, entre em contato com Vinicius Brasil e Guilherme Lemos pelo e-mail: mvabrasil@yahoo.com.br

Colaboração: www.impressione.wordpress.com


1° Ano do Projeto Aikidô – Escola Municipal São Francisco de Assis – EMSFA

29/06/2009

No dia 28/06/2009, o Projeto Aikidô, Trabalho Voluntário exercido na Escola Municipal São Francisco de Assis, em Natal/RN, fez seu 1°ano de sucesso.

Desde seu início o Projeto Aikidô vem se desenvolvendo em prol das crianças da escola e da comunidade circunvizinha. Entre entradas e saídas de participantes, o Projeto Aikidô está atualmente com cerca de 30 crianças.

O projeto consiste na prática da arte marcial do Aikidô e de sua filosofia, Reforço em Português e Matemática, Acompanhamento Nutricional e Recreação.

O objetivo principal do Projeto Aikidô é afastar as crianças da rua, de ambientes hostis, das más companhias e do ócio, apresentá-las a outras formas de ver o mundo e os que estão em volta, auxiliá-las nas matérias da escola e orientá-las quanto à alimentação, sem deixar de lado o divertimento e as brincadeiras inerentes à idade.

Atualmente o Projeto Aikidô conta com 3 (três) voluntários: Marcus Vinicius Andrade Brasil, Advogado e responsável pelo Aikidô; Guilherme Augusto da Silva Lemos, Estudante e responsável pelas aulas de Reforço e Recreação e Mayra Liege da Silva Lemos, responsável pela Nutrição.

 

OS PARCEIROS DO PROJETO AIKIDÔ SÃO:

ABN AMRO Bank/Banco Real

www.bancoreal.com.br

Projeto Escola Brasil – PEB

www.projetoescolabrasil.org.br

Advocacia Marcus Vinicius Andrade Brasil

www.advocaciamvabrasil.wordpress.com

Natividade Moura

Diretora da Escola Municipal São Francisco de Assis

 

QUER CONHECER O PROJETO AIKIDÔ?

A Escola Municipal São Francisco de Assis fica no final da Miguel Castro, após a Liga Contra o Câncer, vizinho a Igreja dos Mártires, em Natal/RN. O horário do Projeto Aikidô é das 7:30h às 11:30h, todos os sábados.

 

By IMPRESSIONE – www.impressione.wordpress.com


%d blogueiros gostam disto: