Aikido, uma arte envelhecida e seu futuro – Por George Ledyard Sensei

01/12/2018

O Aikido se encontra em uma encruzilhada em seu desenvolvimento. Minha geração de professores andou na onda enquanto o Aikido crescia e se espalhava de seu começo modesto no Japão para uma presença mundial. Mas os tempos mudaram, os dados demográficos são diferentes e nos são apresentados vários desafios sérios no futuro.

Para começar, o Aikido, particularmente nos Estados Unidos, tem uma população que está envelhecendo. Enquanto muitos dojos conseguem ter programas infantis vibrantes, o número de jovens que continuam nas aulas para adultos é bem pequeno, assim como o número de adultos que voltam para o treinamento.

No passado, a maior parte dos novos alunos de qualquer dojo vinha de jovens de vinte e poucos anos do sexo masculino. No caso do Aikido, os tempos de boom coincidiram com o fim da Guerra do Vietnã. A maioria dos meus amigos estava envolvida de uma forma ou de outra com o movimento anti-guerra. Eu acho que a ideia de uma arte marcial que foi pensativa e tinha uma filosofia não violenta subjacente à prática teve um enorme apelo dessa geração.

Mas agora, MMA, ou artes marciais mistas, domina o cenário das artes marciais. O jiu-jitsu brasileiro é seu primo mais doméstico e saudável. Os jovens hoje em dia não parecem interessados ​​nas artes marciais mais tradicionais. Eles querem lutar. E, é claro, é impossível para qualquer um de nós competir com o fato de o MMA ser exibido no horário nobre, sete dias por semana.

Então agora temos uma proporção maior de mulheres (muito sensatas para querer fazer MMA) e estudantes mais velhos. Mas eles não chegam com os mesmos números que os jovens costumavam fazer. Eles foram, em grande parte, para outro lugar.

Consequentemente, o Aikido (especialmente nos EUA) encontra-se em um estado do que eu chamo de “colapso da colônia de Aikido”. Números em declínio estão tornando cada vez mais difícil para os professores manterem as portas abertas. Eu tenho um grande número de amigos que perderam seus espaços e tiveram que voltar aos centros comunitários para manter um grupo funcionando.

Junte o declínio nos números com o boom econômico ocorrendo em muitas das principais áreas urbanas e você tem um duplo golpe de taxas de filiação em declínio e rendas rapidamente subindo para o espaço do dojo. No meu caso, apenas alguns dias atrás meu senhorio, de quem eu aluguei espaço por 29 anos, apenas aumentou meu aluguel em 75%, disse que eu precisava bolar $ 5.000 de depósito adicional e me deu até 22 de maio. (basicamente duas semanas de antecedência) para assinar os papéis.

Eu resisti a qualquer recessão econômica desde que abrimos em 1989. Nós sobrevivemos ao crash de 2008, embora nunca tenhamos nos recuperado totalmente. E agora, meu dojo está à beira da viabilidade porque a economia aqui está indo tão bem. Totalmente irônico, eu diria.

O envelhecimento da população tem impacto no treinamento. Quando eu comecei o Aikido, todos no dojo estavam em condição física máxima, seus corpos eram jovens o suficiente para absorver o impacto e lesões e se recuperar rapidamente, e o treinamento era muito intenso e exigente, muitas vezes um pouco assustador, fazendo você se sentir bem na beira da lesão. Na verdade, ferimentos leves eram comuns, como você esperaria quando o treinamento físico é tão intenso.

Mas quando você tem um dojo, onde 75% ou 80% dos alunos têm mais de 40 anos… Onde a grande maioria dos novos alunos que entram na porta já passou do seu auge físico… Isso muda a natureza da prática. A prioridade acaba sendo garantindo uma prática segura, o que significa que a intensidade é atenuada. Mesmo que haja jovens no dojo, quando o desequilíbrio de idade é tão grande, o treinamento deve ser direcionado à maioria. Isso significa que os jovens praticantes raramente são empurrados para seus limites do jeito que éramos.

Isso tem implicações para o futuro da arte. Onde os professores seniores virão daqui para frente? Neste ponto, as pessoas entram na arte e podem passar 30 anos treinando, mas porque elas pularam algumas experiências importantes que deveriam ter sido parte de seu treinamento jovem, elas simplesmente perderam o que deveria ter sido um trabalho fundamental importante.

Quando a maioria dos alunos envolvidos em uma arte é mais velha, as expectativas de desempenho na classificação são ajustadas, conscientemente ou não. Um teste de 45 anos para San Dan vai ter um conjunto de capacidades físicas muito diferentes do que uma pessoa de 30 anos. Quando o pool de ukes é todo passado, a energia do desempenho no teste é necessariamente atenuada.

Tudo isso tem um impacto direto na habilidade dos praticantes de Aikido de fazer Aikido como uma arte marcial e não apenas uma meditação em movimento ou um exercício saudável. Isso também significa que os alunos que estão chegando ao projeto, que um dia serão os professores do futuro, não estão recebendo o tipo de treinamento que os professores do passado fizeram. Isso muda a arte em si em um nível fundamental.

Acho que não podemos mais depender do dojo individual para produzir a próxima geração de professores. No Japão, o Aikikai Hombu Dojo sempre teve um programa de uchi-deshi projetado para produzir professores profissionais capazes de ensinar um determinado currículo. Além do que, muitos de nós, podem pensar sobre esse currículo, eles são bem sucedidos em fazer isso. Não existe tal programa nos EUA.

O que nossas organizações, e até professores individuais, precisam fazer é criar um verdadeiro programa de treinamento de instrutores. Eles precisam olhar em volta e identificar praticantes mais jovens, comprometidos e talentosos, e criar eventos nos quais eles possam se reunir e obter experiências de treinamento intensivo do tipo que simplesmente não podem ter em seus dojos domésticos. Eu gostaria de ver esses eventos sendo ministrados por vários professores seniores que podem fornecer diferentes pontos de vista sobre o que esses jovens trainees estão trabalhando (em oposição à abordagem Hombu de uma abordagem muito homogênea em que todos terminam o processo parecendo iguais).

Na chamada “Era de Ouro” do Hombu Dojo, a instrução foi fornecida por uma série de professores de nível superior, nenhum dos quais se parecia um com o outro, cada um tendo uma abordagem “estilística” diferente, uma visão espiritual diferente da arte. Era um ambiente em que se podia encontrar o próprio Aikido, que, na minha opinião, era a intenção de O-Sensei.

Eu gostaria de nos ver projetando experiências de treinamento para espelhar esse tipo de experiência para nossos praticantes mais jovens. Precisamos nos concentrar neles porque eles são o futuro da arte. Para a maioria dos praticantes mais velhos, é tarde demais para voltar no tempo e fazer o tipo de treinamento que eles poderiam ter quando eram jovens. Precisamos fazer algo sobre a criação de um sistema que possa ser um verdadeiro professor de nível superior daqui a vinte anos.

Eu falei com Josh Gold no Aikido Journal sobre isso. Eu acho que uma instituição como o Aikido Journal é o anfitrião perfeito para criar alguns eventos desse tipo. Mas, para que tenha um impacto real, nossas organizações também precisam fazê-lo. Uma experiência intensiva de vez em quando é melhor do que nenhuma, mas não é suficiente para realizar a profunda reprogramação que o treinamento deve fazer.

A maioria de nossas organizações administra um ou mais campos onde todos podem se reunir com seus professores seniores para treinar. Infelizmente, esses eventos costumam ser mais sociais do que intensivos. O que eu imagino é o treinamento de Shodan, Nidan e Sandan, com base em convite apenas para aqueles alunos identificados pelos professores seniores como tendo o potencial de ir à distância.

Até onde podemos oferecer um treinamento mais intensivo para o resto da nossa população idosa de Aikido, acho que o trabalho com armas pode oferecer muito do mesmo conjunto de insights, se feito corretamente. Embora um aluno possa ficar velho demais para que as quedas e o treinamento combativo sejam sensatos, o trabalho com a espada ou o jo pode permitir uma prática muito intensiva que pode levar o aluno ao limite. Mas, mais uma vez, as pessoas não podem continuar sugando a vida para fora do treinamento, a fim de garantir que seja “seguro”. Deve ser responsabilidade de nossos professores oferecer o tipo de treinamento que permitirá aos alunos entender como controlar suas armas adequadamente para trabalhar em um nível de intensidade que produzirá habilidades mais altas. Isto não é o que geralmente se vê com a maioria das armas de trabalho.

Resumindo… a maioria dos membros do dojo está diminuindo, uma população de praticantes que está envelhecendo, não há jovens o bastante entrando e não há chances suficientes para que tenhamos que treinar em seus limites. Nós temos um grupo de idosos de professores seniores que treinaram de forma diferente do que é feito agora e eles estão começando a falecer. Estamos fazendo o que precisa ser feito para ter uma geração de futuros professores prontos para assumir o papel dos altos executivos seniores que tivemos? Não acredito que tenhamos feito isso. Mas também acredito que ainda há tempo para isso. Eu acho que temos uma janela de quinze anos enquanto o uchi-deshi ainda tem algumas pessoas para ensinar, e as pessoas que treinaram diretamente sob esses professores ainda estão disponíveis também.

Depois disso, não haverá ninguém que trabalhe sob O-Sensei ou um professor treinado diretamente por quem o tenha feito. Se o Aikido quiser sobreviver como uma arte marcial respeitada, isso deve ser tratado. Eu acho que deveria ser o foco número um da nossa comunidade de Aikido. Eu também não sou terrivelmente otimista quanto a isso.

.

*George Ledyard (7º Dan Aikikai) opera o Aikido Eastside na área de Seattle, aluno mais graduado de Mitsugi Saotome Shihan.

.

Colaboração:

WWW.aikidojournal.com

WWW.impressione.wordpress.com


Treino em Homenagem ao Aniversário de Kawai Sensei – 28/02/2015

27/02/2015

.

Kawai Sensei, como carinhosa e respeitosamente é chamado pela Nação Aikidoca, nasceu em 28/02/1931. Se fisicamente estivesse entre nós (certamente ele está em espírito), seria comemorado seu 84º aniversário.

Em homenagem à data do nascimento de nosso eterno Sensei, a Academia Central de Aikidô de Natal fará dia 28/02/2015, sábado, às 08h, treino especial em sua homenagem, com a participação de alunos de todas as Academias de Aikido do RN.

Todos estão convidados.

.

Colaboração:

www.impressione.wordpress.com

www.aikidorn.com.br

 


Treino em Homenagem ao Aniversário de Kawai Sensei – 28/02/2014

25/02/2014

.

Kawai Sensei, como carinhosa e respeitosamente é chamado pela Nação Aikidoca, nasceu em 28/02/1931. Se fisicamente estivesse entre nós (certamente ele está em espírito), seria comemorado seu 83º aniversário.

Em homenagem à data do nascimento de nosso eterno Sensei, a Academia Central de Aikidô de Natal fará dia 28/02/2014, das 19h às 20h, treino especial em sua homenagem com a participação de todas as Academias de Aikido do RN, logo após, haverá confraternização no Açaí.

Todos estão convidados.

.

Colaboração:

www.impressione.wordpress.com

www.aikidorn.com.br

.

.


TPM na Academia Central de Aikidô de Natal – 08 de Março de 2013

07/03/2013

.

O bicho vai pegar !!!

.

Em homenagem às mulheres, e ao seu dia internacional, a Academia Central de Aikidô de Natal fará treino especial, para TODOS, mas ministrado por ELAS, as Yudanshas da casa.

O TPM – Treino Pelas Mulheres – será na sexta, dia 08/03/2013 das 19h às 20h:30m. Veja AQUI o cartaz do evento.

.

Todos, e todas, estão convidados e convidadas !!!

.

Colaboração:

www.impressione.wordpress.com

www.aikidorn.com.br

.

.


O Ataque no Aikido – Por Frank Düesberg

04/03/2013

.

O texto que segue foi enviado pelo aikidoca Frank Düesberg. Frank é aluno da Academia Central de Aikidô de Natal .

.

Existe uma tendência muito forte de valorizar a aplicação da técnica.  Entende-se neste sentido como técnica uma sequência de movimentos padronizados.  Para conseguir executar os mesmos, requer-se um esforço, principalmente dos braços, para levar o corpo do uke de acordo com a exigência da técnica. Sendo assim, eu questiono se ainda se trata de Aikido no sentido como eu o compreendo, porque a partir do momento que o nage usa sua força, além do necessário para desviar o ataque, ele mesmo se transforma em agressor e o uke em vítima. O critério vital para discernir um do outro é exatamente a quantidade de força que o nage aplica. Um dos pontos chaves para mim para saber da qualidade de um nage é o uso minimizado de força.

Nessa perspectiva o ataque do uke ganha outra dimensão quase totalmente ignorado devido ao papel dominador da aplicação padronizada dos movimentos. Quais são os erros mais comuns nos ataques? Aqui cabe uma comparação com a vida na nossa sociedade. As pessoas que encontramos no dia-a-dia não vêm com intenções claras, diretas e sem reservas. A falta de honestidade é prática comum, as pessoas não são como querem ser vistos. São cheios de subterfúgios, maliciosos, e em qualquer mudança das circunstâncias imediatamente mudam de atitude de acordo com seus interesses.

No ataque do uke isto significa que ele não é efetuado com 100% de intenção direcionada, o que pode ser observado nos ataques mais comuns pelos seguintes critérios: 

– no quadril recuado e no tronco inclinado para frente;

– no peso do corpo nas duas pernas ou até na perna de trás;

– no braço retesado na hora do arremesso nos golpes;

– na falta de direcionar a intenção para o centro do nage no caso das pegadas;

– na pouca precisão do local pretendido do ataque e

– na reação antecipada sabendo a técnica a ser aplicada.

.

Para um bom ataque então, o uke precisa: 

– definir antes do início do ataque o local preciso que quer atingir e manter este objetivo o máximo de tempo possível;

– arremessar o braço nos golpes para conseguir o máximo de potência;

– soltar a musculatura do braço nos golpes após alcançar o local pretendido do ataque;

– manter uma pressão contínua para o centro do corpo do nage nas pegadas;

– colocar o peso do corpo na perna da frente mantendo o quadril e tronco alinhado;

– evitar a antecipação da técnica;

– manter o ataque numa velocidade adequada até o final do movimento;

– após o término do ataque ficar numa posição equilibrada;

– não cair sozinho;

– evitar a antecipação do movimento do nage.

Colaboração:

www.impressione.wordpress.com

www.aikidorn.com.br

.


Aikido Pessoal – Por Frank Düesberg

14/02/2013

.

O texto que segue foi enviado pelo aikidoca Frank Düesberg. Frank é aluno da Academia Central de Aikidô de Natal .

.

Faz-se necessário definir um Aikido pessoal? Tantos mestres que tem no mundo, o quê se poderia acrescentar? E se tivesse, qual importância teria?

O Aikido pessoal é algo que se desenvolve de acordo com meu corpo, minha percepção, meu treino, meus mestres, minha respiração, meu equilíbrio, meus ancestrais (como diria Lara Machado) e minha capacidade em geral de me mover e compreender.

Aikido é um estado de percepção que muda a cada segundo, como também um estado de mente que, com treino continuo, tende a se solidificar. Para mim é um estado de paz, percepção, prontidão e relaxamento. Repito: paz = tranquilo e sem agressividade, percepção = estar ligado em si e no que acontece ao redor, prontidão = poder reagir tranquilamente, relaxamento = reagir, sem ou quase sem se tencionar.

Alguém poderia observar que está faltando a técnica, mas acho que não está faltando nos princípios do Aikido. Qual é então a importância da técnica? É o caminho para chegar ao Aikido, mas não o é o próprio.

.

Colaboração:

www.impressione.wordpress.com

www.aikidorn.com.br

.


Nunca é demais lembrar…

10/01/2013

.

Mais um ano de treino se inicia e a boa convivência no dojô, e fora dele, deve ser uma busca constante. Para tal, o IMPRESSÕES-AIKIDÔ apresenta abaixo algumas normas de etiqueta e conduta para serem seguidas nos dojôs de Aikidô, por iniciantes e graduados, e que podem ser utilizadas, também, no seu dia-a-dia.

.

Etiqueta

As atitudes apropriadas desenvolvidas no treinamento de AIKIDO devem ser constantemente praticadas a partir da vivência e dos relacionamentos que cultivamos no DOJO.

Apesar de vivermos em uma cultura diferente da qual o AIKIDO foi criado é necessário ter em mente que a prática, os protocolos e a etiqueta do DOJO fazem parte do treinamento propriamente dito, e não podem ser dissociados dos exercícios corporais.

É importante que o iniciante (kohai) observe e busque absorver as práticas e as atitudes apropriadas. Os mais graduados (senpai) por sua vez, de maneira atenciosa e compassiva, procurarão ajudar ensinando através do exemplo, reconhecendo que a prática de um caminho marcial tem sua base mais sólida nas ações e não nas palavras.

As orientações de etiqueta não são normas ou leis que devem ser advogadas de maneira mecânica ou autoritária. A ação apropriada é vazia se não está acompanhada do sentimento apropriado. O AIKIDO é uma disciplina que deve ser transmitida de coração para coração, e não há outra maneira de absorver os ensinamentos se não pelo treinamento constante.

.

Conduta no DOJO

01. Todos devem proporcionar uma atmosfera positiva de harmonia e de respeito.

02. Todos são responsáveis pela conservação e limpeza do DOJO.

03. Cada pessoa tem razões diferentes para treinar e suas próprias limitações. Devemos respeitar o limite de todos, seus objetivos e expectativas.

04. O dogi (uniforme de prática) deve sempre estar limpo e em condições de higiene que não desrespeitem o colega de treino. As unhas não devem oferecer risco aos demais praticantes e todos devem estar livres de colares, pulseiras, brincos e demais ornamentos que possam proporcionar ferimentos e desconforto no treino. Não se deve mascar chiclete ou qualquer outra coisa durante o treino.

04.1 Deve-se sempre praticar com a vestimenta completa. Os alunos da faixa branca até primeiro Kyu devem sempre utilizar a faixa da cor correspondente à sua graduação. Todo YUDANSHA (portador de faixa-preta) deve, como rege a tradição, portar seu HAKAMA. A tradição deve ser mantida e só serão aceitos nos treinos sem HAKAMA aqueles que acabaram de fazer exame e ainda não receberam a indumentária ou caso tenha ocorrido algo que tenha invalidado a vestimenta.

05. Durante a circulação nas proximidades do tatami em horários de treino deve-se conservar o silêncio.

06. Se for absolutamente necessário perguntar algo ao SENSEI, vá até ele, não o chame para si.

07. Se você não é YUDANSHA seja discreto ao dar orientações aos seus colegas. Não corrija ninguém e procure a orientação do SENSEI.

08. O DOJO não se responsabiliza por acidentes ocorridos no treinamento, é de responsabilidade de cada indivíduo seguir as instruções do SENSEI e proporcionar um treinamento eficiente (livre de lesões), protegendo a si mesmo e ao colega.

09. Durante a prática treine sua prontidão e alerta, coloque-se sempre na postura formal SEIZA ou HIZAOKUMO (caso tenha problemas nos joelhos).

10. Em caso de desentendimentos durante a prática deve-se manter a serenidade e imediatamente dirigir-se ao SENSEI aguardando o mesmo em SEIZA. Em caso de acidentes deve-se evitar o tumulto e seguir diligentemente as instruções do SENSEI.

.

Colaboração:

www.impressione.wordpress.com

www.aikidorn.com.br


Um Caminho de Harmonia – Por João Estevam Fernandes Neto*

13/12/2012

.

“O mestre faz a reverência e levanta-se, o oponente dispara em sua direção e a espada corta o ar, a esquiva do mestre foi instintiva, os discípulos que a cena assistiam não a perceberam, segui-se outro corte, o mestre movimentava-se, como se nem estivesse sendo atacado, e vários outros cortes se seguem. 

O mestre não possui a intenção de machucar seu oponente, prefere ensiná-lo, se quisesse ensinar usando o ódio, o distanciamento ideal mantido desde o primeiro corte já o teria permitido encerrar a lição, mas prefere o amor. Então continua harmonizando-se, sem atacar, a perfeita observação cultivada durante os mais de 60 anos de treino o põem em um estado de interação dinâmica que faz os dois parecem apenas um, a sua respiração correta e ritmada, permitem-no passar por um tempo consideravelmente grande sem cansar-se. Passados alguns minutos o oponente já mostrava sinais de cansaço. 

O movimento seguinte de apenas poucos segundos, definiu tudo, o mestre, acompanha o movimento de corte e redirecionando sua energia (do corte) o prolonga, arremessando em seguida o oponente ao chão, ao tomar seu centro e sua espada. Então o mestre para, senta-se e curva-se, agradecendo a Deus não só por esta luta, mas por toda sua vida. Ao oponente resta apenas levantar-se com um pouco de dificuldade e reconhecer a eficácia do mestre e da arte, na esperança de que o mestre o aceite como discípulo. E o mestre assim o faz.”

O encontro ficcional acima descrito tem a única intenção de expor um pouco da filosofia e do pensamento de um verdadeiro praticante do Budô. A palavra Budô pode ser traduzida como “caminho do guerreiro” e serve para designar as artes marciais de origem Japonesa. Não sei por qual motivo, mas este tipo de “esporte” sempre me seduziu, haja vista que nunca tive admiração pelo futebol, como a maioria de meus compatriotas, e a primeira com a qual tive contato foi o Karatê-dô, lá no longínquo ano de 1990. Assisti uma demonstração e fiquei fascinado, só não comecei a praticar imediatamente por estar com o braço engessado, resultado de uma traquinagem infantil.

Após a retirada do gesso, meus pais arrumaram alguma maneira de me persuadir a adiar o início da prática, e sempre que eu voltava ao assunto eles inventavam outra maneira – eles não ficaram tão fascinados como eu, até que cerca de sete anos depois ingressei na Academia Pequeno Felino, onde pratiquei Karatê-dô durante alguns anos.

Hoje pratico Aikidô com o Sensei James e escrevo este texto por sugestão deste mestre. Nestes anos de prática aprendi muita coisa na APF e não somente sobre o Karatê-dô, o Sensei Messias possui uma vasta sabedoria, freqüentemente compartilhada com seus alunos. Em certas ocasiões lembro claramente de o ver demonstrar técnicas de outras artes, inclusive do Aikidô e também de suas palavras de incentivo quando resolvi por este caminho seguir: “Cada passo que se dá em direção à arte, são na verdade dois passos e não apenas um, pois é como se você estivesse em frente a um espelho e a cada passo seu a arte também dá um passo”.

Em 2005, dei o primeiro passo – na verdade dois – em direção ao aprendizado do Aikidô, o terceiro passo demorou quase seis anos e espero, sinceramente, que os próximos sejam mais breves. Praticamos Aikidô na Academia Central de Aikido de Santa Cruz. O Aikidô, tem como fundador Ô-Sensei Morihei Ueshiba, é uma arte marcial moderna e não competitiva que visa o pleno desenvolvimento do ser humano. Venha você também treinar.

.

*João Estevam Fernandes Neto – Aluno da Academia Central de Aikidô de Santa Cruz – RN

.

Colaboração:

www.impressione.wordpress.com

www.apoesc.blogspot.com.br

.


Princípios do Daito Ryu Aikijujutsu – Por Katsuyuki Kondo

28/09/2011

REI

Antigamente, palavras como “Burei” (que significa desrespeitoso) e “Shitsurei” (que significa um comportamento imperdoável) eram usadas.

Uma pessoa que faltasse com REI, ou seja, que fosse desrespeitosa, poderia estar pondo sua vida em risco.

Por exemplo: Antigamente alguém deveria ter certeza de colocar sua espada ao seu lado direito quando convidado para entrar em uma sala e sentar-se. Se ele pusesse sua espada ao seu lado esquerdo, ele poderia sacá-la em qualquer momento. Por isso era desrespeitoso para alguém colocar sua espada em ao seu lado esquerdo. Isso significava ser “Shitsurei”, ou agir de forma indelicada. A espada no lado esquerdo demonstrava sua intenção em lutar com outra pessoa.

Certa vez ouvi dizer que uma pessoa foi atacada, cortada e morreu, pois sua espada estava ao seu lado esquerdo e aconteceu dela tocá-la por engano. Desta forma, este tipo de comportamento desrespeitoso pode por em perigo a vida de alguém.

METSUKE

Os caracteres significam “onde fixar o olhar”. Eu acredito que isso inclui todas as coisas, como o poder dos olhos penetrantes, que controla os outros, em seu interior, e a capacidade de ler a mente dos outros. O poder dos olhos. É o melhor jeito de controlar os outros sem lutar.

Devemos praticar com este principio em mente. A principio, eu penso que “Metsuke” é um tipo de prática onde você estuda, prevê e distingue os movimentos do oponente pela fixação dos olhos. Naturalmente, neste tipo de treino, várias coisas, como Kokyu-ho, estão incluídas para alcançar esta finalidade.

MAAI

A distancia de combate. No Japão antigo as armas de fogo não eram usadas, mas o arco e flecha eram. E havia MaAi para lanças, espadas e finalmente, o mais curto dos MaAi, a distância para Jujutsu (luta desarmada).

A questão sobre aumentar a distancia entre você e o seu oponente, e como reduzi-la, constitui um assunto muito importante nas artes marciais. Como assumir MaAi, como encurtar e como aumentar a distância. Muitas vezes você pensa que está na distância adequada, que seja apropriada ao seu oponente. Mantenha isto predominante em sua mente quando estiver praticando.

x

KOKYU

KoKyu consiste de dois caracteres que significam “expirar e aspirar (inspirar)”. Então expirar é muito importante e aspirar é um treino para expirar. Nos não vivemos sem aspirar, por isso é feito naturalmente. Assim, é importante que saibamos como expelir o ar do corpo. Também ensinamos, no que diz respeito ao KoKyu que expirar é “Yo” ou “Yang” e aspirar é “In”ou “Ying”.

Por exemplo: Quando visitamos santuários Shinto e templos Budistas vemos ambos os reis Deva nos dois lados do portão do templo. Se olharmos para suas bocas, um tem a boca bem aberta e o outro a boca firmemente fechada. E nos santuários Shinto existem cães guardiões de pedra na entrada do templo, com a boca aberta e fechada. Dizem que representam a expressão “AUM”. O de boca aberta é o “A” e o de boca fechada é o “UM” A expressão “AUM” é certamente uma manifestação “Yan”.

Quando aplicamos as técnicas de fato, emitimos um “KiAi”. Ou a fim de usar toda a nossa força, fechamos nossa boca e produzimos o som “UM” e seguramos nossa respiração. Isso é Yang. Quando aspiramos é Ying. Se praticarmos a respiração suficientemente, estaremos aptos a perceber, e prever, o movimento do oponente.

Os estudos de “KoKyu Ho” tem sido objeto de estudo nos tempos modernos como um método de saúde. Respiração apropriada é um principio muito importante nas artes marciais.

x

KUZUSHI

A quebra do equilíbrio. Isso inclui “atemi” e outras coisas como “KiAi” que são naturalmente parte do conceito. Kuzushi, no Daito Ryu, inclui a idéia de “AiKi”. Isto é como emitir energia “AiKi” e quebrar o equilíbrio do oponente. Este princípio deve ser  nfatizado.

ZANSHIN

Os caracteres utilizados significam “permanecer com o espírito”. Eu já ouvi referencias a “ficar com o corpo”, todavia, não direi “ficar com o espírito”, mas, “dar tudo de si para usar toda força e espírito, através de enfrentar e responder à situação a qualquer momento. Eu entendo o termo por “dar tudo até que não haja nada mais para dar”.

Para resumir, os seis princípios básicos são: Rei, MeTsuKe, MaAi, KoKyu, Kuzushi e Zanshin.

x

*Katsuyuki Kondo – Sensei em Daito-Ryu Aiki-Jujutsu, Kenjutsu e Shodo

*Nota da Redação: Os princípios acima descritos aplicam-se às artes marciais japonesas em geral – Aikidô, Judô, Karatê, dentre outras.

x

Colaboração: www.aikidojournal.com


O Aikidô no RN dá frutos e se expande

30/08/2011

Abaixo segue um texto bastante interessante publicado no Blog MUSSUBI sobre a evolução do Aikidô no estado do Rio Grande do Norte. Boa leitura !

x

O Aikido se expande no Rio Grande do Norte, fruto de um trabalho plantado pelo Sensei Rodrigo Calandra Martins, iniciado no ano de 1999 com a criação da Academia Central de Aikido de Natal.

Quando Sensei Rodrigo teve de ausentar-se do país, deixou a difícil missão aos que poderiam chamar-se os 4 guerreiros (Sensei Marco, Sensei James, Sensei Sérgio e Sensei Gabriel), posto que ficaram com a grande responsabilidade de manter o trabalho iniciado e colher os frutos, passando a ensinar muitos que, até então, eram colegas de treino, e sustentar a ausência do brilho do Sensei fundador, de quem ouve-se falar com tanto saudosismo e admiração pelos que foram seus alunos, o que por si demonstra o grau de dificuldade da empreitada.

Mas ultrapassadas as dificuldades iniciais, os Sensei da ACAN mostraram-se vitoriosos no mister mantendo viva a prática do Aikido na capital, e melhor, o nosso Aikido espontaneamente se expandiu, através dos seus praticantes graduados, que criaram asas e passaram a ter seu próprio núcleo de prática.

Hoje temos além da ACAN, as academias de Parnamirim (Sensei Tarciso), Mossoró (Sensei Beethoven), Santa Cruz (Sensei James) e agora mais recente a Academia Potiguar (Sensei Israel). Isso tudo sem esquecer o belo trabalho do Aikido voluntário da Escola Municipal São Francisco de Assis (Projeto Aikido), levada à frente pelo Sensei Vinicius Brasil.

Sem olvidar ainda as participações dos Sensei Giovanni, Sensei Hellen, Sensei Cris Cuono, Sensei Tarciso, e recentemente os Senpai Cris B e Paulo Wanderlei, que são indispensáveis à sustentação do corpo da Academia Central de Aikido de Natal.

O Aikido de Natal deu frutos, que por sua essência, também gera sementes. Com isso ganhando toda a nossa comunidade, posto que mais ainda está sendo disseminado pessoas tocadas pela da Arte da Paz.

Ô-sensei, assim, estende mais ainda seus braços, num abraço que fica cada vez mais forte.

Domo Arigato Gozaimashita.

x

Colaboração: www.mussubi.wordpress.com


CINEWASA e Solto na Cidade – Cinema na Academia Central de Aikidô de Natal em 03/04/2011

31/03/2011

O tatami da Academia Central de Aikidô de Natal está ficando famoso. A sessão de cinema – Cinewasa – é notícia no mais completo guia cultural da cidade do Natal: “Solto na Cidade”, com o título, Cinema no Tatami. Passem lá e deixem seus comentários. 

No link: http://soltonacidade.com.br/guia/liso_comentario.php?id=102

 

O filme deste domingo, 03 de abril, é o que segue, não faltem.

                                                 ENTRADA FRANCA !!!

Filme: A PARTIDA (2008)

Direção: Yojiro Takita

Origem: Japão

Dia e Hora: Domingo – 03/04/2011 – 18h

Local: Rua João Ferreira de Melo, 2978, Capim Macio, Natal/RN – Fone: 3217-9182

Sinopse:

A trama conta a história de um violoncelista que volta à cidade natal com a esposa depois que a orquestra onde toca é dissolvida. Lá, começa a trabalhar como funcionário funerário e, neste encontro com a “morte”, o jovem descobrirá sentido em sua vida. Ganhou o Oscar de melhor filme estrangeiro.

Colaboração: www.aikidorn.com.br e www.soltonacidade.com.br


CINEWASA – Cinema na Academia Central de Aikidô de Natal em 20/03/2011

17/03/2011

Passado o reinado de Momo, retorna ao seu horário habitual a sessão de cinema da Academia Central de Aikidô de Natal. Venha assistir a mais uma pérola do mestre Akira Kurosawa. ENTRADA FRANCA !!!

 

Filme: SONHOS (Yume – 1990)

Direção: Akira Kurosawa

Origem: Japão

Gênero: Drama, Fantasia

Duração: 119 min.

Dia e Hora: Domingo – 20/03 – 18h30m

Local: Rua João Ferreira de Melo, 2978, Capim Macio, Natal/RN – Fone: 3217-9182

 

Sinopse:

Dividido em oito capítulos – oito sonhos diferentes que dialogam entre si – ‘Sonhos’ traz a peculiaridade contemplativa do cinema do Japão, a música característica e os figurinos exóticos aos olhos do ocidente. Lidando com medos e vontades subconscientes, o filme traz desde um passeio por entre pinturas do holandês Vincent Van Gogh até o recorrente pesadelo nacional com a radiação nuclear. A beleza da natureza e o horror de sua destruição, bem como tradições milenares, são os elementos que arremessavam Akira Kurosawa a níveis cada vez mais altos de criatividade.

Colaboração: www.aikidorn.com.br


AIKIDÔ RN, mais uma vez SAUDADES… Por Odorico Martins

25/02/2011

Mais uma vez me encontro andando em círculos, pensando em sobre como expressar a importância do Aikidô em minha vida. Por mais que pense, reflita, não consigo chegar a algo que tenha a real magnitude do que eu sinto. Palavras sempre serão muito poucas para expressar sentimentos.

Estive em Natal mais uma vez e parece que eu nunca havia saído de lá. E lá estando, haja emoção. Além de treinar com amigos que há um ano eu não via, e alguns que fazia quase uma década, também recebi o presente de poder estar presente na festa de confraternização de final de ano da Escola Municipal São Francisco de Assis em Natal, onde o Vinicius, o Guilherme e os voluntários do Aikidô realizam um trabalho maravilhoso junto aquelas crianças tão carentes de atenção e carinho. Foi um dia inesquecível, como também o foi  a visita a Santa Cruz com meu Sensei e amigo James.

Quando cheguei a Santa Cruz deparei com uma estátua PEQUENININHA de Nossa Senhora, que parecia abençoar a grandeza do treino que tivemos. A turma do Aikidô de Santa Cruz é incrível, e eu tive a honra de treinar com um pequeno grande aikidoísta que  muito me ensinou com seu carinho e pureza.

Sou muito grato, mais uma vez, a todos que encontrei nesta viagem e com os quais tive a oportunidade de treinar.

A cidade de Natal, as crianças do Vinicius, Santa Cruz, círculos, idas e vindas. Aikidô é isso. Amizade, emoção e beleza. Ô-Sensei já dizia que para sabermos se um movimento estava certo deveríamos ter como parâmetro a beleza, e se depender disso, estava tudo perfeito.

*Odorico Martins é faixa-preta em Aikidô (Shodan) formado pela Academia Central de Natal/RN – Atualmente reside e pratica Aikidô no Rio Grande do Sul.

Colaboração: www.impressione.wordpress.com


Eu, o Zen e o Aikidô – Por José Ribamar Lopes

01/06/2009

Tive uma experiência interessante na minha volta aos treinos de Aikidô, por estes dias. Embora meio fora de prática, tive um prazer imenso em treinar, como nunca tive em todo o tempo treinado. Lembro-me de antes, que quando estava no tatame, muitas das vezes estava com a mente distante; e ao contrário, quando estava distante, estava com pensamento no tatame, de modo que não vivenciava realmente a maravilhosa experiência do treino. Após os últimos 11 (onze) meses de estudo do Zen, da tradição do Thay, praticando a meditação, compreendi melhor o que o fundador do Aikidô – Ô-Sensei Morihei Ueshiba pretendia com união mente, corpo, espírito.

Após iniciado o meus estudos de meditação, foi uma experiência formidável treinar Aikidô, envolto em Plena Consciência. Já em casa, afastado dos treinos, busquei fazer os movimentos da arte marcial, atento a respiração, e já havia obtido uma excelente experiência. A verdade é que descobri o Zen no Aikidô.

Já tinha ouvido falar que o Aikidô era o Zen em movimento, mas não tinha ainda vivenciado a experiência. Até o famoso Ki, pude perceber real. O que para mim antes não passava de metafísica, passei a senti-lo no treino, embora não tenha ainda domínio sobre ele. Atento aos movimentos e a respiração, repetindo mentalmente “momento presente, momento maravilhoso“, torno-me mais atento as sensações do corpo e mente, não deixando me perder em pensamentos, e tornando mais presente ao treino e concentrado aos movimentos. Observo o relaxamento do corpo, cuidando-me para não permitir tensões no corpo, buscando a leveza natural do ser, indispensável à meditação e ao Aikidô. O objetivo é seguir no treino atento à forma correta. A perfeição marcial é a preocupação instrumental imediata, sendo a harmonização espirito/corpo/mente o objetivo final. E nesse momento o Aikidô e o Zen se confundem.

JOSÉ RIBAMAR LOPES – Servidor Público Estadual – 2º Kyu (Faixa-Azul) – Aluno da Academia Central de Aikidô de Natal.

Colaboração: http://umditoeumponto.blogspot.com/


%d blogueiros gostam disto: