Yamada Sensei – Para a Aikidô Today Magazine

17/09/2012

x

Trecho de uma entrevista de Yamada Sensei publicado na Aikidô Today Magazine. A pergunta do entrevistador confirma a dúvida de muitos iniciantes nos caminhos do Aiki e a resposta do Shihan derruba aqueles que, sem conhecimento do Shintoísmo ou da religiosidade que permeia o caminho, tentam se passar por oradores, filósofos ou ainda “iluminados”. Boa leitura.

x

Pergunta: Diz-se que a popularidade do Aikidô baseia-se no fato de não ser apenas uma arte de defesa pessoal, mas um modo de vida. É também algo que as pessoas estão procurando nesse final de século e na transição para o próximo. Portanto, a filosofia do Aikidô ou seu lado religioso torna-se muito importante. Quando o senhor ministra seminários ou aulas, raramente fala sobre os conceitos Shinto em que se baseia o Aikidô. O senhor favorece o lado técnico, enquanto parece não apreciar o aspecto da meditação ou da filosofia. Isso é simplesmente uma imagem que o senhor quer passar, ou acha desnecessário ensinar a teoria ou a filosofia que permeiam o Aikidô? Antigos estudantes do fundador dizem que O’Sensei, com frequência, ensinava filosofia Shinto.

x

Resposta de Yamada Sensei: Em primeiro lugar eu não sou filósofo, ou uma pessoa religiosa. Ainda que O’Sensei em sua idade avançada tenha sido extremamente religioso, nunca nos forçou a pensar do mesmo jeito. Compreendo e concordo que o Aikidô não é somente uma arte marcial, mas também um modo de vida. No entanto, Aikidô é Budô. Portanto, creio que os praticantes de Aikidô não devem colocar muito peso na sua relação com o dogma espiritual ou cair na armadilha de transformá-lo em uma religião.

A razão pelo qual não falo sobre Shinto é porque não sou autoridade no assunto; e também acredito que Aikidô, em si mesmo, tem pouco a ver com o Shinto.

Gosto de meditações. Para mim, a prática de meditação é algo que alguém deve fazer sozinho e não em público. No entanto, a meditação é também algo que podemos praticar em todos os momentos. Da forma como vejo, meditação é consciência, a consciência da vida. É a percepção da vida no momento. Podemos fazer da nossa vida uma medição em todo e qualquer lugar, e a qualquer hora.

Eu não sei quem falou que o O’Sensei ensinava muito Shinto. Que eu saiba, não. Temos que compreender que as pessoas atualmente envolvidas com o Aikidô têm maneiras diferentes de ser e de pensar. Cada um vem com o seu próprio entendimento e credo, baseado na sua cultura, religião, ou experiência de vida. Como resultado, cada pessoa se conecta e interpreta os princípios do Aikidô ao seu próprio modo, segundo direções baseadas em suas origens. As pessoas veem e estudam o Aikidô como uma manifestação de suas próprias crenças.

Consequentemente, também usam seu aprendizado dos princípios do Aikidô para melhorar ou aprimorar suas crenças. Por exemplo, um adepto de Shinto pode usar seu conhecimento de Aikidô para melhorar ou aprimorar seu desenvolvimento e compreensão do Shinto. O mesmo se aplica aos budistas, ou a qualquer pessoa de qualquer religião ou filosofia. Eu não tenho aspirações de ser um líder espiritual.

x

Colaboração:

www.impressione.wordpress.com

Aikidô Today Magazine

x

x


CINEWASA e Solto na Cidade – Cinema na Academia Central de Aikidô de Natal em 03/04/2011

31/03/2011

O tatami da Academia Central de Aikidô de Natal está ficando famoso. A sessão de cinema – Cinewasa – é notícia no mais completo guia cultural da cidade do Natal: “Solto na Cidade”, com o título, Cinema no Tatami. Passem lá e deixem seus comentários. 

No link: http://soltonacidade.com.br/guia/liso_comentario.php?id=102

 

O filme deste domingo, 03 de abril, é o que segue, não faltem.

                                                 ENTRADA FRANCA !!!

Filme: A PARTIDA (2008)

Direção: Yojiro Takita

Origem: Japão

Dia e Hora: Domingo – 03/04/2011 – 18h

Local: Rua João Ferreira de Melo, 2978, Capim Macio, Natal/RN – Fone: 3217-9182

Sinopse:

A trama conta a história de um violoncelista que volta à cidade natal com a esposa depois que a orquestra onde toca é dissolvida. Lá, começa a trabalhar como funcionário funerário e, neste encontro com a “morte”, o jovem descobrirá sentido em sua vida. Ganhou o Oscar de melhor filme estrangeiro.

Colaboração: www.aikidorn.com.br e www.soltonacidade.com.br


Cinema na Academia Central de Aikidô de Natal – CINEWASA – Dia 06/02/2011

01/02/2011

Atenção Aikidocas!!! Mais uma sessão de cinema da Academia Central de Aikidô de Natal. Desta vez será apresentado no dia 06/02/2011, domingo, às 18:00h, o filme Os Sete Samurais, de Akira Kurosawa (leve sua almofada e sua toalha). 

Filme: OS SETE SAMURAIS (Shichinin no Samurai, 1954).

Direção: Akira Kurosawa

Gênero: Ação/Drama/Guerra

Origem: Japão

Duração: 206 minutos

Tipo: Longa-metragem

Sinopse: No século 16, durante a era Sengoku, quando os poderosos samurais de outrora estavam com os dias contados, um veterano aceita proteger uma vila contra bandidos. Ele reúne seis outros samurais aposentados e o grupo ensina os moradores a se defenderem.

Colaboração: www.aikidorn.com.br


Escola São Francisco de Assis e Instituto Escola Brasil realizam Poesia Viva

19/11/2009

A Escola Municipal São Francisco de Assis, localizado no bairro de Nazaré, promoveu a Poesia Viva, a IX Mostra Cultural e a II Feira Literária, nos dias 06 e 07 de novembro, no próprio prédio da escola. O evento é incorporado ao calendário cultural da escola desde 2005, confundindo-se com o Projeto Escola Brasil, na medida em que o instituto é quem patrocina o evento.

“A poesia extrapola os muros da escola se tornando um grande evento que, a partir de 2006, é realizado anualmente com a participação de alunos, professores e parceiros do Instituto Escola Brasil”, afirma a diretora Maria da Natividade de Moura Rodrigues. A cada ano há um tema em destaque, em 2006 foi “Catadores de poemas”, o de 2007 “Literatura de cordel – unindo arte e poesia”, o de 2008 “Poesia e arte – reencontro de saberes e sentimentos” e agora, em 2009 “Um jeito bom de brincar: a poesia no dia-a-dia”.

O evento contou com a presença do Secretário Municipal de Educação, Elias Nunes, que ficou encantado com todo o trabalho feito na escola. E afirma, é importante destacar que os investimentos foram feitos em parceria com o Banco Real, e que seu objetivo e meta é buscar mais parceiros para outras escolas, ampliando o projeto, no qual se desenvolve na E.M. Francisco de Assis e na E.M. Bernardo Nascimento.

O reconhecimento desde trabalho ocorreu no dia 23 de outubro de 2009, quando o grupo de voluntariado do Instituto Escola Brasil de Natal, grupo Santander, concorrendo com todos os outros do país, recebeu o Prêmio Destaque de Voluntariado do Projeto Escola Brasil 2009 ao apresentarem o Projeto Poesia Viva desenvolvido na escola.

PROJETO ESCOLA BRASIL

Indivíduos com acesso a boa educação são mais atuantes, capazes de fazer escolhas conscientes que as ajudem a transformar as condições de vida de sua geração e das próximas. Educação de qualidade é imprescindível para superarmos os grandes desafios sociais, ambientais e econômicos do mundo.

O Projeto Escola Brasil – PEB tem o objetivo de contribuir para a melhoria da qualidade na educação oferecida pela escola pública de ensino básico, por meio da participação voluntária de funcionários do Grupo Santander Brasil, de maneira conjunta e integrada com gestores e demais membros da comunidade escolar (professores, funcionários, alunos, pais, entre outros).

As ações que são desenvolvidas no contexto do PEB podem referir-se aos âmbitos da gestão, pedagógico ou da infra-estrutura da escola parceira, nos eixos temáticos de esporte e recreação, arte e cultura, meio ambiente, diversidade e empreendedorismo e geração de renda.

A intenção dessas ações é estimular constantemente o desejo de aprender dos alunos e fortalecer a comunidade escolar. Além de desenvolver a educação do país, uma vez que ela é a base para o desenvolvimento do mesmo”, explica a Coordenadora do Projeto Escola Brasil de Natal, Ednalva Gomes da Silva.

Algumas ações foram implementadas por esse parceiro na escola, como a construção da quadra de esportes, construção da sala de informática, da sala de jogos, do depósito, investimentos em materiais esportivos tais como: tatames, bolas, bambolês, xadrez, kimonos, totós, medalhas, troféus, parte do acervo da sala de leitura, patrocina cursos para professores em outros Estados (promoção da igualdade racial); o lanche das crianças e voluntários do AIKIDÔ todos os sábados; lanches para os pais quando é promovida qualquer atividade que os envolvam, a exemplo disso o curso de empreendedorismo oferecido pelo Sebrae, o tratamento dentário traumático realizado pela UNP em parceria com as unidades de saúde de Nazaré e Bom Pastor; o lanche da aplicação do IQE; festas do dia das crianças, mães, pais, professores, etc.

Podemos contar sempre com essa equipe, a qual não abrirá mão dessa parceria que nos motiva, nos tonifica e nos faz acreditar cada vez mais que é o caminho de dias melhores para futuras gerações”, declara a diretora Maria da Natividade.

Link para o original: http://www.natal.rn.gov.br/noticia/ntc-1821.html

Colaboração: www.natal.rn.gov.br


Fontes Ideológicas das Artes Marciais Japonesas

10/07/2009

O Japão sempre foi fiel aluno e profundo admirador da cultura da China e da Coréia. Importou da China o budismo, o confucionismo, as artes, a escrita, o sistema político, instrumentos musicais, usos e costumes.

Os coreanos ensinaram a arte da fundição, da arquitetura, da carpintaria e incentivados pelo príncipe Shotoku, a escrita chinesa kanji foi ensinada pelo mestre coreano Wang-I aos iletrados japoneses do século VI, como instrumento necessário para o aprendizado do budismo.

Discípulo aplicado, o japonês entendeu a natureza da sua alma e o conforto espiritual que lhe proporcionava a doutrina que falava da salvação pela iluminação, ou seja, pelo conhecimento. Mais ainda, moldou sua personalidade, sua cultura, seu modo de falar, de se relacionar com as pessoas pelos cânones budistas. Não há no budismo nenhum mandamento. Nada obrigatório, nada mandatário, nada no imperativo. Não há nem mesmo Deus ou deuses. Há apenas caminhos apontados. Buda, que significa apenas “O Iluminado”, dizia que o caminho natural de todo ser humano é atingir o estado de Buda. E para isso, apontava caminhos, mas nunca obrigou ninguém a trilhá-los, nunca sequer disse que o que pregava era uma religião. Dizia apenas que a salvação do homem só se dá pela compreensão das quatro nobres verdades, segundo a tradição Theravada.

“A vida é cheia de sofrimento”;

“O sofrimento provém da ânsia”;

“O sofrimento pode terminar se eliminar a ânsia”;

“O meio de atingir a paz interior (nirvana) é através das oito vias sagradas”.

“As oito vias sagradas são ditas a senda óctupla dos três treinamentos superiores: Sabedoria, Ética e Meditação”.

Derivada do budismo, a tônica do zen-budismo é a integração com o todo pelo fazer e pela meditação. A ação existe como recurso para esvaziamento da mente. Não se fala, não se pensa, faz-se o mais perfeito porque o corpo é apenas expressão da alma. Ao falar e ao pensar, estamos conscientes, ocupando, portanto, parcela muito pequena das nossas mentes grandemente mergulhadas no insondável inconsciente. No gesto e na ação perfeitas, fora do consciente, revela-se a perfeição do inconsciente, a perfeição da alma. 

O xintoísmo é a religião primitiva do Japão. Nasceu da relação do homem com a Natureza, seus sentimentos, crenças e superstições, por isso, é animista e panteísta. Tudo é dotado de alma, há divindades para tudo: florestas, águas, rios, mares, árvores, pedras, entes falecidos etc. Assim, o nipônico primitivo tornou sagrados os elementos que amava e respeitava.

Dentre todos os elementos da Natureza, o ser humano é o único ser passível de veneração, porque nasce de deuses celestiais. Nos lares, o japonês venera seus ancestrais num pequeno santuário de madeira, oferecendo-lhes água e a primeira porção da comida. Contrariamente ao budismo, não há ensinamentos no xintoísmo, apenas uma mitologia escrita em 712 no Kojiki (Relato de coisas antigas) e em 720 no Nihonshoki (Crônicas do Japão). Há inúmeras divindades, mas nenhuma necessidade de igreja ou templo.

Antigamente os japoneses cercavam um pedaço do terreno com a corda de palha trançada (shimenawa) e ali celebravam suas cerimônias xintoístas. O visitante que quisesse reverenciar a divindade máxima no altar de um santuário xintoísta, seria levado pelo sacerdote ao altar onde há apenas um espelho. “Tipifica o coração humano que quando perfeitamente plácido e claro reflete a própria imagem da Divindade”, explica Inazo Nitobe. Não se pode ensinar o xintoísmo porque não há o que ensinar: nem doutrina, nem mandamento, apenas a mitologia narrando a origem do arquipélago e do povo japonês. Só se aprende o xintoísmo pela convivência e pelo exemplo, afirma Yunagita Kunio, um dos maiores estudiosos da cultura japonesa.

Do sábio chinês Confúcio (Kung Fon Tzeu) o japonês aprendeu a ética social, o respeito à hierarquia familiar e à da sociedade. Confúcio ocupava-se unicamente do presente; nada ensinava da vida além-morte. Em comum com o budismo, o confucionismo prega a sabedoria e a benevolência, além da justiça, honestidade e sentido da propriedade. 

Toda arte japonesa ao harmonizar corpo, mente e espírito, reflete os princípios religiosos expostos. Não há a perfeição como objetivo a ser atingido. A concepção de perfeição é zen-budista: está no buscar, no caminhar, por isso, grande parte das artes japonesas, têm a finalização (caminho). Shodô é o caminho da escrita, kadô, o caminho das flores ou dos arranjos florais também conhecido como ikebana, kadô, com outro kanji para “ka” significando poesia, é o caminho da poesia ou a arte do poeta, butsudô, o caminho dos ensinamentos budistas, sadô ou chadô, o caminho do chá ou a arte da cerimônia do chá, kendô, o caminho da espada, aikidô, o caminho para harmonia do espírito, judô, caminho suave ou caminho da luta suave, karatê-dô, caminho da arte marcial de mãos vazias. Mesmo que se repute perfeita a arte, o mestre se considera apenas no caminho porque cada execução é única, irrepetível, irretocável, produto do estado de alma naquele exato instante. E executa-se porque o enlevo da alma é também único para cada instante.

A cultura japonesa considera natural trilhar o caminho do aprimoramento da alma. A arte é apenas um dos meios para isso. O xintoísmo moldou as artes ensinando o respeito e a necessidade de convivência com o próximo para nosso aperfeiçoamento como homens. Para os praticantes das artes marciais japonesas, o local de treinamento, é como no xintoísmo, terreno sagrado, merecedor de respeito e reverência. É local de aprendizado e elevação espiritual, para o que as lutas são meros instrumentos, por isso, é muito natural que lutadores de aikidô, judô, sumô, kendô ou outra arte marcial reverenciem o local da prática e o adversário, antes e depois da luta. Natural também que as regras éticas tenham moldado as regras esportivas, surgidas depois.

Produto cultural dessa ideologia, tudo ligado ao conhecimento e àquilo que nos aprimora, é respeitado e venerado: as escolas, os livros, os professores, os santuários, os templos, a prática de qualquer arte que eleve, instigue nossa sensibilidade estética, como na poesia ou pintura, ou dê paz espiritual ao homem, como na arte do bonsai ou da cerimônia do chá. Os professores ou aqueles que ensinam gozam de alta reputação social. Sensei (professor), além de ser pronome de tratamento para quem ensina, é pronome altamente respeitoso, equivalente a doutor para nós brasileiros.

Referências Bibliográficas:

Michiko Yusa – Religiões do Japão – pag 31 – ed 2002 – Edições 70 – Lisboa – Portugal

Inazo Nitobe – Bushidô – a alma de samurai – ed pag 16 apud in Benedito Ferri de Barros – Japão – harmonia dos contrários – ed 1988 – página129

Para saber mais: D. T. Suzuki e Erich Fromm – Zen-budismo e Psicanálise

Para saber mais: op cit Michiko Yusa e Xintoismo e Edmond Rochedieu – Editorial Verbo ed 1982 Lisboa/Portugal.

Colaboração: www.aikikaizen.com.br


Resultado da VIII Mostra Cultural da Escola Municipal São Francisco de Assis – Natal/RN

20/10/2008

 

Sucesso. Esta é a palavra para dar nome ao resultado da VIII Mostra Cultural da Escola Municipal São Francisco de Assis ocorrida nos dias 17 e 18 de Outubro do corrente ano. Salas de Literatura, Poesia, Instalações Culturais e apresentações do tipo permearam este final de semana. A Mostra Cultural também foi palco para as comemorações ao Dia do Professor com um belo almoço.

 

Inúmeros visitantes compareceram à Mostra Cultural. Presenças ilustres como a da Secretária de Educação do Município de Natal, a Sra. Profa. Justina Iva, e dos Representantes do Banco ABN AMRO Bank/REAL, patrocinadores do Projeto do Aikidô, foram registradas.

 

Repercussão do Projeto do Aikidô na Mostra Cultural

 

O Projeto do Aikidô já faz parte do dia-a-dia da Escola Municipal São Francisco de Assis. No sábado dia 18/10/2008, 10h, todos já aguardavam ansiosos a apresentação de um treino com os 14 alunos convidados, e que no final das contas passaram para 20. O espaço foi concorrido, tanto dentro quanto fora do tatame. A Secretária de Educação assistiu parte do treino e aprovou a idéia das equipes do projeto e da escola em oferecer mais esta opção aos alunos e às crianças das redondezas.

 

Atualmente o Projeto do Aikidô assiste 30 (trinta) crianças, tem uma lista de espera de mais da metade destes participantes, e certamente, após este evento, será ampliada.

 

By IMPRESSÕES – www.impressione.wordpress.com


A Bala Catolé – Livro do Jornalista Leilton Lima

09/08/2008

Dia 14 de agosto de 2008, 18h, na Poty Livros, vizinho ao Natal Shopping, será o lançamento do livro A Bala Catolé (literatura infantil) de autoria do Jornalista Potiguar Leilton Lima. Leve a criança que mora em seu coração e outras crianças da sua turma.

 

By IMPRESSIONE – www.impressione.wordpress.com


Impressões

02/07/2008

Poucas coisas na vida são tão difíceis quanto dar um nome, seja a alguém ou a alguma coisa. O Nome é o que designa, caracteriza ou individualiza o ser. Neste Blog não poderia ser diferente. Como batizá-lo com um nome que o caracterizasse de forma objetiva e tivesse correlação com seu conteúdo? E se o referido nome fosse restrição aos assuntos apresentados? E o pior, se fosse restrição ao público? Tarefa difícil. Assim, depois de muita reflexão surgiu o nome IMPRESSÕES (do latim IMPRESSIONE). Segundo o Dicionário Aurélio, Impressões são os “estados físicos e psicológicos resultantes da atuação de elementos ou situações exteriores sobre órgãos dos sentidos; por intermédio deles; ou sobre o corpo; ou sobre a mente; sensações”. Pois bem, os leitores destes ensaios poderão observar impressões semelhantes às suas ou não. Mas isso é o que menos importa, pois serão apenas impressões.

IMPRESSÕES – www.impressione.wordpress.com

 


%d blogueiros gostam disto: