MISOGI – Por Hiroshi Ikeda

25/09/2013

Hoje eu e minha esposa saímos cedo do trabalho e fomos para a escola de nosso filho antes do final da aula. Era nossa semana de fazer a limpeza da sala de aula da 4ª e 5ª série. Nesta escola cada família participa pelo menos uma vez no ano da limpeza da sala de aula de seus filhos, fazendo a limpeza (o que é muito encorajado), ou pagando $40 para que a escola contrate alguém para fazer isso (o único zelador da escola). A maioria das famílias escolhe ir fazer a limpeza.

Nós temos feito isso desde o jardim de infância, e se tornou um ritual do qual gostamos muito. Acho que estar no meio da ação nos faz sentir que fazemos parte da escola, isso nos dá um sentimento de conexão com o lugar em que nosso filho passa várias horas de seu dia. Nós fazemos isso por ele, pelo professor, por seus colegas, fazendo uma pequena contribuição para manter o mundo deles limpo, em ordem e agradável. De uma maneira simbólica, estamos recompensando seu professor, a quem ele adora (e nós também) por ter uma influência tão positiva em sua vida.

Então dizemos “olá” para os outros pais e vamos ao armário do zelador, pegamos um aspirador de pó e uns sacos de limpeza e vamos para a sala de aula de Jill. É claro que nosso filho preferiria passar o tempo no laboratório de computação enquanto nós limpamos as mesas e tiramos manchas dos teclados, mas ele se junta a nós por tempo suficiente para limpar o quadro negro guardar o aspirador de pó. Além disso, ele nos lembra que “faz seu trabalho” todos os dias. Isto é, as tarefas que as crianças fazem em turnos antes de ir para casa, pequenas coisas como alimentar o porquinho da índia, limpar em baixo das mesas, guardar as cadeiras e suprimentos.

Eu descobri que esta escola é uma exceção neste caso. Isso me surpreende, porque em todas as escolas que frequentei no Japão, as crianças não limpavam apenas suas salas de aula, mas também os corredores e áreas comunitárias. Nós limpávamos e lavávamos as janelas. Isso não era uma punição, de forma alguma; era o que tínhamos que fazer, e tínhamos orgulho de trabalharmos juntos para cuidar de nosso espaço. Acho que não pensávamos nisso, mas estávamos aprendendo sobre responsabilidade, respeito, realizações e cooperação.

Como a sala de aula, o dojô é um lugar importante – muitos diriam que talvez seja ainda mais importante que uma sala de aula, porque no dojô nosso trabalho é refinar habilidades que podem nos colocar no limite entre a vida e a morte.

Acredito que muitas pessoas hoje em dia confundem o dojô com algum tipo de centro de recreação. Mas diferentemente de um centro esportivo para levantamento de peso ou um ginásio para a prática de esportes, um dojô de artes marciais abriga o kami (deus) do budô. Isso quer dizer que em um dojô, o espírito do bushidô, ou uma lei de conduta, permeia o treinamento. Quando um dojô perde isso, sofre as consequências. Acredito que isso é o espírito do budô – este refinado sentimento de respeito – o que distingue um dojô, e é o que levamos em nós para nosso comportamento perante a sociedade.

O próprio ato de cuidar do dojô nos permite manifestar fisicamente o processo de purificação de nossos espíritos. Da mesma forma, as pessoas entram no dojô e deixam suas preocupações lá fora, o próprio dojô deve refletir a postura mental pura de seus ocupantes, para que os alunos possam se mover com segurança e liberdade no futuro pelo caminho do budô.

Infelizmente, às vezes vejo que alguns alunos consideram que o treinamento não tem nada a ver com este simples ato de cuidado. O espírito do dojô reflete a forma com que cada individuo encara seu treinamento, e isto inclui a forma como ele ou ela trata o próprio dojô. Acredito que uma pessoa que treina em um dojô deveria considerar que este espaço é, de alguma maneira, uma manifestação deles próprios, e deveriam encarar sua purificação da mesma forma que fariam a purificação e a renovação de seus próprios espíritos.

Através da história e das culturas, o ato de limpeza e purificação tem sido um gesto tanto prático quanto simbólico de grande significado. No Japão, este tipo de purificação ritual ou “misogi” é uma parte integral e muito importante da vida diária. Por exemplo, no final de dezembro, quase todas as pessoas em toda a nação cooperam dentro de suas famílias, escolas, companhias e dojô para limpar os lugares em que se reúnem. Ao fazerem isso, são capazes de receber o novo ano com seus ambientes purificados, bem como com suas almas purificadas. Outros rituais de misogi podem incluir a purificação do local da construção de um edifício antes que a obra comece. Antes de cada luta de sumô, o esporte nacional Japonês, os lutadores purificam o ringue aonde irão competir jogando sal sobre ele.

Parece um paradoxo que atos simples e mundanos possam ter o poder de transformar, mas este fato tem ressurgido repetidamente através dos tempos. Se polirmos o espírito, talvez um dia o espelho esteja imaculado, e então veremos nosso verdadeiro reflexo.

.

* Hiroshi Ikeda – 7° Dan de Aikidô

Tradução para o Inglês: Jun Akiyama, editado por Ginger Ikeda

Tradução: Jaqueline Sá Freire – Brazil Aikikai – Hikari Dojo – Rio de Janeiro

 .

Colaboração:

www.impressione.wordpress.com

http://hikari1.multiply.com/

.


Bushidô – O Caminho do Guerreiro

03/06/2013

.

Bushido (武士道) significa, literalmente, “caminho do guerreiro” – era um código de conduta não escrito e um modo de vida para os Samurai (a classe guerreira do Japão feudal ou bushi), que fornecia parâmetros para esse guerreiro viver e morrer com honra. O ideograma “do” (道), no sentido utilizado no termo japonês Bushido, é equivalente à forma chinesa “Tao”, e exprime o conceito filosófico de absoluto. Este conceito traz a ideia de origem, princípio e essência de todas coisas. 

O maior princípio do Bushido era buscar uma morte com dignidade, conforme expresso no Hagakure – “oculto nas folhas”, um dos mais importantes tratados acerca do Bushido, escrito por Yamamoto Tsunetomo, um samurai da província de Nabeshima, atual Saga, em 1716.

Um samurai jamais poderia se entregar e deveria estar sempre preparado para a morte. Além disso, a honra do samurai, de seus antepassados e de seu senhor deveria ser preservada por ele. Outros aspectos importantes é que um samurai jamais pode fugir de uma luta. Mesmo apenas um samurai contra um exército de oponentes, ele não pode abandonar a luta. O samurai também deve estar sempre do lado da justiça e ter compaixão com seu inimigo derrotado ou mais fraco. Lealdade, etiqueta, educação e noção de gratidão eram outras coisas que o Bushido pregava. Um samurai honrado deveria ser leal ao seu daimyo (senhor feudal), Shogun e Imperador.

No geral, guerreiro é aquele que busca seu próprio caminho. Muitas pessoas podem estar perfeitamente buscando o caminho sem saber disso. Guerreiro é a pessoa que tem um objetivo, e que por meio deste, passa a ter consciência de seu dom e suas limitações. Através dessa consciência, o guerreiro atinge sua meta, combinada com a vontade de vencer fraquezas, temores e limitações.

Cada pessoa trilha seu próprio caminho, já que existem vários caminhos: como o caminho da cura pelo médico, o caminho da literatura pelo poeta ou escritor, e muitas outras artes e habilidades. Cada pessoa pratica de acordo com a sua inclinação. Por isso pode-se chamar de guerreiro, aquele que segue seu caminho específico.

Porém, no bushido, a palavra guerreiro significa muito mais do que isso. O termo bushi não pode ser designado a qualquer um. O bushi é diferente, pois seus estudos do caminho baseiam-se em superar os homens. A casta guerreira se distingue das demais por sua fidelidade e honra, a palavra do guerreiro vale mais do que tudo.

O caminho do guerreiro é o caminho da pena e da espada, esse conceito vem do antigo Japão feudal e determinava que o guerreiro (bushi) dominasse tanto a arte da guerra quanto a da leitura, e que ele deve apreciar ambas as artes. O bushi deve aprender o caminho de todas as profissões; se informar sobre todos os assuntos; apreciar as artes e quando não estiver ocupado em suas obrigações militares, deverá estar sempre praticando algo, seja a leitura ou a escrita, armazenando em sua mente a história antiga e o conhecimento geral, comportando-se bem a todo momento para ter uma postura digna de um samurai, tudo isso sem desviar do verdadeiro caminho, o bushido.

A etiqueta deve ser seguida, todos os dias da vida cotidiana, assim como na guerra pelos samurais. Sinceridade e honestidade são as virtudes que avaliam suas vidas. Transcender um pacto de fidelidade completa e confiança esta ligada à dignidade. Os samurais também precisavam ter autocontrole, desapego e austeridade para manter a sua honra, em função disso, podemos dizer que o samurai é o guerreiro completo e seu código de honra – o bushido – tem forte influência no estilo de vida do povo japonês.

Para o bushido, exige-se que a conduta de um homem seja correta em todos os sentidos, dessa forma, a preguiça é um mal que deve ser abominado. Mas existem problemas quando a pessoa se apoia no futuro, pois torna-se preguiçosa e indolente, já que deixa para amanhã, aquilo que poderia ser feito hoje. Pessoas que agem dessa maneira, não seguem o verdadeiro preceito do bushido, que de um modo geral, é a aceitação resoluta da morte e esta pode chegar a qualquer momento.

Se o guerreiro tem plena consciência da morte, evitará conflitos, estará livre de doenças, além de ter uma personalidade com muitas qualidades e diferenciada às dos demais seres humanos. O guerreiro vive o presente sem se preocupar com o amanhã, de modo que quando contempla as pessoas, sente como se nunca mais fosse vê-los novamente, e, portanto, seu dever e consideração as pessoas, serão profundamente sinceros. O verdadeiro guerreiro é aquele que aceita a morte; dessa maneira, ele não irá se meter em discussões desnecessárias que venham a provocar um conflito maior, já que assim ele pode acabar matando ou sendo morto; esta última poderia resultar em sua desonra ou afligiria a reputação e nome de sua família.

.

Os homens devem moldar seu caminho. A partir do momento em que você ver o caminho em tudo o que fizer, você se tornará o caminho”. Miyamoto Musashi (1584 – 1645)

.

Colaboração:

www.impressione.wordpress.com

www.niten.org.br

www.bushido-online.com.br

.


Sobre você e seus mestres – Por Eugen Herrigel

11/04/2013

.

…da Arte Cavalheiresca do Arqueiro Zen.

.

O aluno traz consigo três coisas: Uma boa educação, um profundo amor pela arte escolhida e uma veneração incondicional pelo mestre. Desde tempos imemoriais, a relação entre mestre e discípulo pertence às relações elementares da vida e ultrapassa muito os limites da matéria que ensina. No principio, a única coisa que se lhe exige é que imite respeitosamente tudo que o mestre faz. Pouco amigo de prolixos doutrinamentos e motivações, ele se limita a breves indicações e não espera que o aluno faça perguntas. Observa tranquilamente suas ações, sem esperar independência ou iniciativa própria, aguardando com paciência o crescimento e a maturação. Os dois dispõem de tempo: o mestre não pressiona, o discípulo não se precipita.”

Longe de querer despertar prematuramente o artista, o mestre considera como sua missão primordial converter o discípulo num artesão que domine profundamente o oficio, o que este fará com sua habitual e pertinaz dedicação e como se não tivesse aspirações mais elevadas, submetendo-se ao duro aprendizado com resignação, para descobrir com o passar dos anos, que o domínio perfeito da arte, longe de oprimir, libera.”

Áspero é o caminho do aprendizado. Muitas vezes, a única coisa que mantém o discípulo animado é a fé no mestre, em quem só agora reconhece o domínio absoluto da arte: com sua vida, dá-lhe o exemplo do que seja obra interior, e convence-o apenas com a sua presença. Nessa etapa, a imitação do discípulo atinge a maturidade, conduzindo-o a compartilhar com o mestre o domínio artístico. Até onde o discípulo chegará é coisa que não preocupa o mestre. Ele apenas lhe ensina o caminho, deixando-o percorrê-lo por si mesmo, sem a companhia de ninguém. A fim de que o aluno supere a prova da solidão, o mestre se separa dele, exortando-o cordialmente a prosseguir mais longe do que ele e a se elevar acima dos ombros do mestre.”

.

*Eugen Herrigel – (20 de Março de 1884 em Lichtenau, Baden – 18 de abril de 1955, em Partenkirchen, Baviera ). Dentre outros livros, escreveu: A Arte Cavalheiresca do Arqueiro Zen e O Caminho Zen. Foi um filósofo alemão que ensinou filosofia na Universidade Imperial de Tohoku, em Sendai, Japão, 1924-1929 e introduziu o Zen em grande parte da Europa através de seus escritos . Enquanto vivia no Japão 1924-1929, ele estudou kyūdō , arte japonês tradicional do arco e flecha , sob os olhares de Awa Kenzo (1880-1939), um mestre na arte, na esperança de promover a compreensão do zen. Em julho de 1929, ele retornou à Alemanha e lhe foi dada uma cadeira para ensinar filosofia na Universidade de Erlangen.

.

Colaboração:

www.impressione.wordpress.com

.


Escola representa Natal em evento nacional – Projeto Aikidô

15/06/2010

Mais notícias do Projeto Aikidô no site da Prefeitura do Natal, segue:

Data de publicação: 14/06/2010 10:48

Link para o original: http://www.natal.rn.gov.br/noticia/ntc-3409.html

A Escola Municipal São Francisco de Assis, no bairro Nazaré, está participando da I Mostra Nacional do Programa Saúde na Escola e da IV Mostra Nacional de Saúde e Prevenção nas Escolas, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília/DF. O evento começou ontem e se encerra nesta terça-feira, 15.

A participação da escola é através do Projeto Aikidô Contra a Violência. Profissionais de saúde, professores, estudantes e movimentos sociais que atuam na área de educação terão a oportunidade de discutir questões como saúde sexual e reprodutiva, qualidade de vida e saúde, entre outros, com ênfase na troca de experiências relacionadas à atenção e promoção da saúde. A mostra é organizada pelos Ministérios da Saúde e da Educação em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde no Brasil (OPAS), a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

As gestoras da Escola Municipal São Francisco de Assis, a diretora Maria da Natividade Moura e a vice-diretora Roselane Praxedes foram as grandes incentivadoras para os voluntários do Projeto Aikidô participarem da mostra. No Brasil foram classificados 631 trabalhos para serem apresentados de forma Oral, Pôsteres ou fazer parte do CD alusivo aos eventos.

Projeto Aikidô.

O projeto é um trabalho voluntário em prol das crianças da EM São Francisco de Assis, do bairro de Nazaré, Zona Oeste de Natal. Consiste na prática da arte marcial do Aikidô e de sua filosofia, reforço em português e matemática, acompanhamento nutricional e recreação. Acontece na sede da escola, sob a responsabilidade do advogado Marcus Vinicius Andrade Brasil, 3º Dan de Aikidô (faixa-preta 3º grau), pelo estudante universitário Guilherme Augusto da Silva Lemos, 1º Kyu (faixa-marrom) de Aikidô e a nutricionista Mayra Liege da Silva Lemos.

O objetivo é afastar as crianças da rua, de ambientes hostis, das más companhias e do ócio, apresentá-las a outras formas de ver o mundo. Auxilia no aprendizado das matérias da escola e orienta quanto à alimentação, sem deixar de lado o divertimento e as brincadeiras inerentes à idade.

São atendidas 25 crianças, nos sábados, das 7h30mim às 12h. Nos meses de férias escolares, janeiro, fevereiro e julho, as crianças participam de três treinos semanais (quartas, sextas e sábados). A medida foi necessária em virtude da falta de ocupação por parte dos alunos no período de férias e pela ociosidade da escola no mesmo período. “Os três treinos semanais estão surtindo grande efeito, como melhoria técnica no Aikidô, menos crianças nas ruas, utilização dos aparelhos da escola – tatames e quadra de esportes – e maior contato entre as crianças participantes do projeto e os voluntários”, disse Marcus Vinicius Andrade Brasil.

Colaboração: WWW.natal.gov.br


Projeto Aikidô da Escola Municipal São Francisco de Assis pela Internet

27/05/2010

Notícias do Projeto Aikidô da Escola Municipal são Francisco de Assis, em Natal/RN, se espalham pela Internet.

No site ClicRN

http://www.clicrn.com.br/noticias,179006,4,escola+sao+francisco+de+assis+participa+de+evento+nacional.html

No site iParaíba

http://www.iparaiba.com.br/noticias,179006,4,escola+sao+francisco+de+assis+participa+de+evento+nacional.html

No site da Prefeitura do Natal

http://www.natal.rn.gov.br/noticia/ntc-3240.html

 

Colaboração: www.impressione.wordpress.com


Projeto Aikidô da Escola Municipal São Francisco de Assis no site da Prefeitura do Natal

25/05/2010

 

Escola São Francisco de Assis participa de evento nacional

Link para o Original: http://www.natal.rn.gov.br/noticia/ntc-3240.html

A Escola Municipal São Francisco de Assis, por meio do Projeto Aikidô, irá participar nos dias 13 a 15 de junho da I Mostra Nacional do Programa Saúde na Escola e da IV Mostra Nacional de Saúde e Prevenção nas Escolas, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília/DF.

Sua participação será através do Projeto Aikidô Contra a Violência, classificado entre os que representaram Natal, sendo três para apresentação Oral – onde o Projeto Aikidô se insere; quatro para apresentação de Pôster e um trabalho para participar do CD do evento.

Profissionais de saúde, professores, estudantes e movimentos sociais que atuam na área de educação terão a oportunidade de discutir questões como saúde sexual e reprodutiva, qualidade de vida e saúde, entre outros, com ênfase na troca de experiências relacionadas à atenção e promoção da saúde. A mostra é organizada pelos Ministérios da Saúde e da Educação em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde no Brasil (OPAS), a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

As gestoras da Escola Municipal São Francisco de Assis, a diretora Maria da Natividade Moura e a vice-diretora Roselane Praxedes foram as grandes incentivadoras para os voluntários do Projeto Aikidô participarem da mostra. No Brasil foram classificados 631 trabalhos para serem apresentados de forma Oral, Pôsteres ou fazer parte do CD alusivo aos eventos.

Projeto Aikidô

O projeto é um trabalho voluntário em prol das crianças da EM São Francisco de Assis, do bairro de Nazaré, Zona Oeste de Natal. Consiste na prática da arte marcial do Aikidô e de sua filosofia, reforço em português e matemática, acompanhamento nutricional e recreação. Acontece na sede da escola, sob a responsabilidade do advogado Marcus Vinicius Andrade Brasil, 3º Dan de Aikidô (faixa-preta 3º grau), pelo estudante universitário Guilherme Augusto da Silva Lemos, 1º Kyu (faixa-marrom) de Aikidô e a nutricionista Mayra Liege da Silva Lemos.

O objetivo do projeto é afastar as crianças da rua, de ambientes hostis, das más companhias e do ócio, apresentá-las a outras formas de ver o mundo. Auxilia no aprendizado das matérias da escola e orienta quanto à alimentação, sem deixar de lado o divertimento e as brincadeiras inerentes à idade.

Atualmente o projeto Aikidô atende em média 25 crianças, nos sábados, das 7h30mim às 12h. Nos meses de férias escolares, janeiro, fevereiro e julho, as crianças participam de três treinos semanais (quartas, sextas e sábados). A medida foi necessária em virtude da falta de ocupação por parte dos alunos no período de férias e pela ociosidade da escola no mesmo período. “Os três treinos semanais estão surtindo grande efeito, como melhoria técnica no Aikidô, menos crianças nas ruas, utilização dos aparelhos da escola – tatames e quadra de esportes – e maior contato entre as crianças participantes do projeto e os voluntários”, disse Marcus Vinicius Andrade Brasil.

Data de publicação: 25/05/2010 13:56 em www.natal.rn.gov.br

Colaboração: www.natal.rn.gov.br


A ARTE DE CEDER – Por Marcos José do Nascimento

26/11/2009

Em minha adolescência, quando iniciei os meus treinos de Judô com Sensei Ceny Peres Barga, no Ginásio Portuário, no Rio de Janeiro, eram enfatizados os aspectos dos ensinamentos filosóficos de Jigoro Kano, e um deles passado para nós era o seguinte: “O Judô, quando empregado, é tão perigoso quanto uma espada desembainhada, o melhor modo de usá-lo é não o empregar. Ceder para vencer”.

Ceder é uma prática pouco difundida em sociedade, pois, em geral, o ser humano é ensinado, e não educado, a conquistar seus espaços a qualquer custo, de qualquer maneira, qualquer seja esse espaço, e em o conquistando, nele permanecer de igual maneira, da mesma forma que o conquistou, quando não descobrindo novas formas de manutenção no posto, sejam quais forem essas formas.

O Jujutsu marca, pode-se especular, de certa maneira, uma nova maneira de prática de arte marcial, posto que o seu princípio guarda relação com a suavidade, com a flexibilidade, e acredito que no momento anterior à sua existência o modo de praticar-se a arte marcial desarmada fosse talvez mais rígido, menos suave, menos flexível.

Jigoro Kano afirma em seus escritos que o termo Jujutsu talvez se tenha originado da expressão: “Ju yoku go o seisu”, significando, “Flexibilidade Controla a Rigidez”. Na flexibilidade está implícita a idéia de ceder.

Judô e Aikidô são duas artes marciais que empregam a idéia de ceder, embora no primeiro nas competições alguns atletas não se utilizem desse princípio, enquanto outros o utilizam como forma de condução do oponente para uma posição que facilite a aplicação de sua técnica.

Fora os aspectos competitivos do Judô, nas suas demais práticas, ceder é uma constante, no treino técnico, nos seus diversos katas, enquanto no Aikidô essa constante é sempre presente, posto que neste não há alguma forma de combate, no qual um dos praticantes tenha que ser considerado vencedor, inexistindo a figura do oponente na outra pessoa.

Nos treinos de Aikidô, o uke cede o seu corpo para que o tori (ou nage) aplique uma técnica, de igual maneira acontece no Judô, existindo neste apenas uma hipótese em que tal não ocorre, é o chamado “tendoku geiko” (treinamento solitário) no qual o judoca realiza as movimentações de igual forma como se contasse com uke, que na verdade não está presente.

Tanto Jigoro Kano quanto Morihei Ueshiba, respectivamente, criadores do Judô e do Aikidô enfatizavam o uso das artes que criaram fora do ambiente do Dojô, no que se refere a transferir os comportamentos levados a efeito dentro dos treinos para a sociedade, colaborando com ela. E um desses aspectos é o hábito de ceder, entre outros tantos ganhos que vão sendo conquistados ao longo de uma prática continuada.

A imagem do atleta que, na propaganda televisiva, quando chega o elevador, cede a vez para outra pessoa, é um aspecto de gentileza e educação repetido no ambiente do Dojô, e a oportunidade de ceder, pelo exercício da flexibilidade mental, vai-se estendendo aos poucos, para outras posturas mentais e sociais, tornando o praticante, paulatinamente, menos rígido com os outros e consigo mesmo, salientando que todo trabalho de transformação do ser humano, incutindo-lhe novos hábitos mentais e sociais é uma tarefa demorada que tem de contar com a boa vontade do próprio ser, uma vez que na sociedade nem sempre se pode contar com a boa vontade alheia, e transformação que precisa operar-se é em cada ser, em lugar de primeiro dar-se com o outro para que cada um transforme-se.

É uma ação que reclama internalizar os conceitos aprendidos, transformando-os em práticas ao longo do tempo, dentro e fora do Dojô, mesmo que, aparentemente, pequenas, sem grande destaque, sem grande realce social, mesmo sem ser percebida pelos demais, pois, de outra maneira, o discurso não passará de uma bela retórica, o que não falta nos mais variados ramos da atividade humana.

Quando Jigoro Kano afirmava “ceder para vencer”, este vencer reporta-se a vencer a si mesmo, e não o oponente, posto que, em última instância, mesmo na competição em que se busca uma vitória sobre o outro, vence-se a si mesmo, superando-se a si mesmo numa limitação, conquanto essa vitória seja sempre efêmera, mui passageira, como também enfatizava o criador do Judô, quando afirmava que num combate, tanto quem vence, quanto quem perde, encontram-se ambos no mesmo patamar, no mesmo nível.

A arte de ceder, presente no Judô e no Aikidô, herdada do Jujutusu, reclama comportamentos de cooperação, dentro e fora do Dojô, ajudando na construção de uma sociedade melhor, por meio da melhoria dos seus integrantes, e, neste aspecto, tanto o Aikidô quanto o Judô, em suas essências, buscam colaborar na mudança para melhor do ser humano, colaborando com a sociedade como um todo, melhorando-a pela transformação de seus integrantes.

Referências

– MIND OVER MUSCLE – JIGORO KANO – 2005 – KODANSHA.

*MARCOS JOSÉ DO NASCIMENTO – Servido Público Federal – Faixa-Preta de Judô e Aikidô – Aluno da Academia Central de Aikidô de Natal.


Escola São Francisco de Assis e Instituto Escola Brasil realizam Poesia Viva

19/11/2009

A Escola Municipal São Francisco de Assis, localizado no bairro de Nazaré, promoveu a Poesia Viva, a IX Mostra Cultural e a II Feira Literária, nos dias 06 e 07 de novembro, no próprio prédio da escola. O evento é incorporado ao calendário cultural da escola desde 2005, confundindo-se com o Projeto Escola Brasil, na medida em que o instituto é quem patrocina o evento.

“A poesia extrapola os muros da escola se tornando um grande evento que, a partir de 2006, é realizado anualmente com a participação de alunos, professores e parceiros do Instituto Escola Brasil”, afirma a diretora Maria da Natividade de Moura Rodrigues. A cada ano há um tema em destaque, em 2006 foi “Catadores de poemas”, o de 2007 “Literatura de cordel – unindo arte e poesia”, o de 2008 “Poesia e arte – reencontro de saberes e sentimentos” e agora, em 2009 “Um jeito bom de brincar: a poesia no dia-a-dia”.

O evento contou com a presença do Secretário Municipal de Educação, Elias Nunes, que ficou encantado com todo o trabalho feito na escola. E afirma, é importante destacar que os investimentos foram feitos em parceria com o Banco Real, e que seu objetivo e meta é buscar mais parceiros para outras escolas, ampliando o projeto, no qual se desenvolve na E.M. Francisco de Assis e na E.M. Bernardo Nascimento.

O reconhecimento desde trabalho ocorreu no dia 23 de outubro de 2009, quando o grupo de voluntariado do Instituto Escola Brasil de Natal, grupo Santander, concorrendo com todos os outros do país, recebeu o Prêmio Destaque de Voluntariado do Projeto Escola Brasil 2009 ao apresentarem o Projeto Poesia Viva desenvolvido na escola.

PROJETO ESCOLA BRASIL

Indivíduos com acesso a boa educação são mais atuantes, capazes de fazer escolhas conscientes que as ajudem a transformar as condições de vida de sua geração e das próximas. Educação de qualidade é imprescindível para superarmos os grandes desafios sociais, ambientais e econômicos do mundo.

O Projeto Escola Brasil – PEB tem o objetivo de contribuir para a melhoria da qualidade na educação oferecida pela escola pública de ensino básico, por meio da participação voluntária de funcionários do Grupo Santander Brasil, de maneira conjunta e integrada com gestores e demais membros da comunidade escolar (professores, funcionários, alunos, pais, entre outros).

As ações que são desenvolvidas no contexto do PEB podem referir-se aos âmbitos da gestão, pedagógico ou da infra-estrutura da escola parceira, nos eixos temáticos de esporte e recreação, arte e cultura, meio ambiente, diversidade e empreendedorismo e geração de renda.

A intenção dessas ações é estimular constantemente o desejo de aprender dos alunos e fortalecer a comunidade escolar. Além de desenvolver a educação do país, uma vez que ela é a base para o desenvolvimento do mesmo”, explica a Coordenadora do Projeto Escola Brasil de Natal, Ednalva Gomes da Silva.

Algumas ações foram implementadas por esse parceiro na escola, como a construção da quadra de esportes, construção da sala de informática, da sala de jogos, do depósito, investimentos em materiais esportivos tais como: tatames, bolas, bambolês, xadrez, kimonos, totós, medalhas, troféus, parte do acervo da sala de leitura, patrocina cursos para professores em outros Estados (promoção da igualdade racial); o lanche das crianças e voluntários do AIKIDÔ todos os sábados; lanches para os pais quando é promovida qualquer atividade que os envolvam, a exemplo disso o curso de empreendedorismo oferecido pelo Sebrae, o tratamento dentário traumático realizado pela UNP em parceria com as unidades de saúde de Nazaré e Bom Pastor; o lanche da aplicação do IQE; festas do dia das crianças, mães, pais, professores, etc.

Podemos contar sempre com essa equipe, a qual não abrirá mão dessa parceria que nos motiva, nos tonifica e nos faz acreditar cada vez mais que é o caminho de dias melhores para futuras gerações”, declara a diretora Maria da Natividade.

Link para o original: http://www.natal.rn.gov.br/noticia/ntc-1821.html

Colaboração: www.natal.rn.gov.br


%d blogueiros gostam disto: