Caçando duas raposas – Por Paulo Coelho

06/11/2015

.

O estudante de artes marciais aproximou-se do professor:

— Gostaria muito de ser um grande lutador de aikidô – disse. — Mas penso que devia também me dedicar ao judô, de modo a conhecer muitos estilos de luta; só assim poderei ser o melhor de todos.

— Se um homem vai para o campo, e começa a correr atrás de duas raposas ao mesmo tempo, vai chegar um momento em que cada uma correrá para um lado, e ele ficará indeciso sobre qual deve continuar perseguindo. Enquanto decide, ambas já estarão longe, e ele terá perdido seu tempo e sua energia.

“Quem deseja ser um mestre, tem que escolher apenas UMA coisa para aperfeiçoar-se. O resto é filosofia barata.

.

Colaboração:

http://www.impressione.wordpress.com
http://www.g1.globo.com

.

Anúncios

Morihei Ueshiba (1883-1969) – 46 anos da passagem do Fundador do Aikidô

27/04/2015

.
Ontem, 26/04/2014, fez exatos 46 anos da morte do Fundador do Aikidô, Morihei Ueshiba, conhecido pelos Aikidocas ao redor do mundo como Ô –Sensei – Grande Mestre.

Os últimos anos de Morihei Ueshiba foram passados principalmente em Tóquio à medida que a sua saúde se tornava gradualmente mais frágil em virtude de sua idade já avançada, 86 anos. Não obstante, continuou ensinando até março de 1969, altura em que adoeceu, devido a complicações no fígado, e foi internado no hospital da Universidade de Keio. Na ocasião Morihei disse a seu filho Kisshomaru: “Deus está me chamando”.

Uma das últimas aparições do Ô-Sensei deu-se no dia 15 de abril de 1969, Morihei participou das comemorações do ano novo no Hombu Dojô. Mesmo parecendo estar com a saúde impecável, sua condição física deteriorava-se rapidamente e devido a tal quadro seus numerosos discípulos e amigos fizeram suas últimas visitas e homenagens. Mesmo já no final de sua existência neste plano Ô-Sensei propagava os ideais do Aikidô, e dizia aos presentes: “O Aikidô é para todos…” dizia o Mestre, “não treinem por razões egoístas, mas para todas as pessoas em todos os lugares”.

No dia 26 de abril de 1969, Morihei Ueshiba, aos 86 anos de idade, tomou a mão de seu filho Kisshomaru, riu e disse: “Tome conta de tudo”, e desencarnou.

Uma vigília foi realizada no Hombu Dojô no dia 1º de maio de 1969, a partir das 19h e, no mesmo dia, foi consagrada ao Fundador do Aikidô uma condecoração póstuma pelo Imperador Hirohito. Suas cinzas foram depositadas no cemitério de Tannabe, no templo da família Ueshiba, e mechas de seu cabelo foram guardadas em relicários no Santuário Aiki, em Iwama; no cemitério da família Ueshiba, em Ayabe; e no Grande Santuário de Kumano. Kisshomaru Ueshiba foi eleito para suceder seu pai como Aiki Doshu, por decisão unânime da Aikikai, em 14 de junho de 1970.

O Budô não é um meio de se derrotar um oponente pela força ou com armas letais. Também não é seu propósito levar o mundo à destruição pelas armas ou por outros meios ilegítimos. O verdadeiro Budô busca ordenar a energia intrínseca do Universo, protegendo a paz mundial, moldando e também preservando tudo na natureza em sua forma correta. Praticar o Budô é essencial para fortalecer, em meu corpo e em minha alma, o amor do kami, a divindade que gera, preserva e nutre todas as coisas na natureza” – Morihei Ueshiba.

.
Conheça o Aikidô:

Local: Academia Central de Aikidô de Natal – ACAN
Endereço: Rua Prof. João Ferreira de Melo – Capim Macio – Natal/RN – Fundos do CCAB Sul
Telefone: (84) 2020-4841
Site: http://www.aikidorn.com.br

.
Colaboração:

http://www.impressione.wordpress.com

.


Ditado Japonês

26/04/2013

.

No Japão os Mestres ensinam:

Se você não entende por meio da observação, não o fará por meio da explicação.”

.

Colaboração:

www.impressione.wordpress.com

www.aikidoshogun.wordpress.com

 

 

 


Sobre você e seus mestres – Por Eugen Herrigel

11/04/2013

.

…da Arte Cavalheiresca do Arqueiro Zen.

.

O aluno traz consigo três coisas: Uma boa educação, um profundo amor pela arte escolhida e uma veneração incondicional pelo mestre. Desde tempos imemoriais, a relação entre mestre e discípulo pertence às relações elementares da vida e ultrapassa muito os limites da matéria que ensina. No principio, a única coisa que se lhe exige é que imite respeitosamente tudo que o mestre faz. Pouco amigo de prolixos doutrinamentos e motivações, ele se limita a breves indicações e não espera que o aluno faça perguntas. Observa tranquilamente suas ações, sem esperar independência ou iniciativa própria, aguardando com paciência o crescimento e a maturação. Os dois dispõem de tempo: o mestre não pressiona, o discípulo não se precipita.”

Longe de querer despertar prematuramente o artista, o mestre considera como sua missão primordial converter o discípulo num artesão que domine profundamente o oficio, o que este fará com sua habitual e pertinaz dedicação e como se não tivesse aspirações mais elevadas, submetendo-se ao duro aprendizado com resignação, para descobrir com o passar dos anos, que o domínio perfeito da arte, longe de oprimir, libera.”

Áspero é o caminho do aprendizado. Muitas vezes, a única coisa que mantém o discípulo animado é a fé no mestre, em quem só agora reconhece o domínio absoluto da arte: com sua vida, dá-lhe o exemplo do que seja obra interior, e convence-o apenas com a sua presença. Nessa etapa, a imitação do discípulo atinge a maturidade, conduzindo-o a compartilhar com o mestre o domínio artístico. Até onde o discípulo chegará é coisa que não preocupa o mestre. Ele apenas lhe ensina o caminho, deixando-o percorrê-lo por si mesmo, sem a companhia de ninguém. A fim de que o aluno supere a prova da solidão, o mestre se separa dele, exortando-o cordialmente a prosseguir mais longe do que ele e a se elevar acima dos ombros do mestre.”

.

*Eugen Herrigel – (20 de Março de 1884 em Lichtenau, Baden – 18 de abril de 1955, em Partenkirchen, Baviera ). Dentre outros livros, escreveu: A Arte Cavalheiresca do Arqueiro Zen e O Caminho Zen. Foi um filósofo alemão que ensinou filosofia na Universidade Imperial de Tohoku, em Sendai, Japão, 1924-1929 e introduziu o Zen em grande parte da Europa através de seus escritos . Enquanto vivia no Japão 1924-1929, ele estudou kyūdō , arte japonês tradicional do arco e flecha , sob os olhares de Awa Kenzo (1880-1939), um mestre na arte, na esperança de promover a compreensão do zen. Em julho de 1929, ele retornou à Alemanha e lhe foi dada uma cadeira para ensinar filosofia na Universidade de Erlangen.

.

Colaboração:

www.impressione.wordpress.com

.


Um Caminho de Harmonia – Por João Estevam Fernandes Neto*

13/12/2012

.

“O mestre faz a reverência e levanta-se, o oponente dispara em sua direção e a espada corta o ar, a esquiva do mestre foi instintiva, os discípulos que a cena assistiam não a perceberam, segui-se outro corte, o mestre movimentava-se, como se nem estivesse sendo atacado, e vários outros cortes se seguem. 

O mestre não possui a intenção de machucar seu oponente, prefere ensiná-lo, se quisesse ensinar usando o ódio, o distanciamento ideal mantido desde o primeiro corte já o teria permitido encerrar a lição, mas prefere o amor. Então continua harmonizando-se, sem atacar, a perfeita observação cultivada durante os mais de 60 anos de treino o põem em um estado de interação dinâmica que faz os dois parecem apenas um, a sua respiração correta e ritmada, permitem-no passar por um tempo consideravelmente grande sem cansar-se. Passados alguns minutos o oponente já mostrava sinais de cansaço. 

O movimento seguinte de apenas poucos segundos, definiu tudo, o mestre, acompanha o movimento de corte e redirecionando sua energia (do corte) o prolonga, arremessando em seguida o oponente ao chão, ao tomar seu centro e sua espada. Então o mestre para, senta-se e curva-se, agradecendo a Deus não só por esta luta, mas por toda sua vida. Ao oponente resta apenas levantar-se com um pouco de dificuldade e reconhecer a eficácia do mestre e da arte, na esperança de que o mestre o aceite como discípulo. E o mestre assim o faz.”

O encontro ficcional acima descrito tem a única intenção de expor um pouco da filosofia e do pensamento de um verdadeiro praticante do Budô. A palavra Budô pode ser traduzida como “caminho do guerreiro” e serve para designar as artes marciais de origem Japonesa. Não sei por qual motivo, mas este tipo de “esporte” sempre me seduziu, haja vista que nunca tive admiração pelo futebol, como a maioria de meus compatriotas, e a primeira com a qual tive contato foi o Karatê-dô, lá no longínquo ano de 1990. Assisti uma demonstração e fiquei fascinado, só não comecei a praticar imediatamente por estar com o braço engessado, resultado de uma traquinagem infantil.

Após a retirada do gesso, meus pais arrumaram alguma maneira de me persuadir a adiar o início da prática, e sempre que eu voltava ao assunto eles inventavam outra maneira – eles não ficaram tão fascinados como eu, até que cerca de sete anos depois ingressei na Academia Pequeno Felino, onde pratiquei Karatê-dô durante alguns anos.

Hoje pratico Aikidô com o Sensei James e escrevo este texto por sugestão deste mestre. Nestes anos de prática aprendi muita coisa na APF e não somente sobre o Karatê-dô, o Sensei Messias possui uma vasta sabedoria, freqüentemente compartilhada com seus alunos. Em certas ocasiões lembro claramente de o ver demonstrar técnicas de outras artes, inclusive do Aikidô e também de suas palavras de incentivo quando resolvi por este caminho seguir: “Cada passo que se dá em direção à arte, são na verdade dois passos e não apenas um, pois é como se você estivesse em frente a um espelho e a cada passo seu a arte também dá um passo”.

Em 2005, dei o primeiro passo – na verdade dois – em direção ao aprendizado do Aikidô, o terceiro passo demorou quase seis anos e espero, sinceramente, que os próximos sejam mais breves. Praticamos Aikidô na Academia Central de Aikido de Santa Cruz. O Aikidô, tem como fundador Ô-Sensei Morihei Ueshiba, é uma arte marcial moderna e não competitiva que visa o pleno desenvolvimento do ser humano. Venha você também treinar.

.

*João Estevam Fernandes Neto – Aluno da Academia Central de Aikidô de Santa Cruz – RN

.

Colaboração:

www.impressione.wordpress.com

www.apoesc.blogspot.com.br

.


É apenas o início, e não fim

25/08/2012

x

“Conta-se que no grupo de pessoas próximas a J.F.Kennedy, nos anos 60, se propôs que a década não ia terminar sem que o homem chegasse à lua. E conseguiram! Mas depois, um número importante de cientistas caiu na depressão e loucura, inclusive no suicídio. Seu propósito era excelente, mas não estava vinculado a um objetivo mais alto. Se fazemos uma comparação com a prática do Aikidô, acontece que muita gente toma como finalidade chegar à faixa-preta. E depois produz um vazio. E na verdade, a faixa-preta é o primeiro degrau. É como aprender a ler e depois nunca mais abrir um livro.”

X

Trecho do livroAikido, o desafio do conflito.

X

Colaboração:

www.impressione.wordpress.com

x


A importância do treinamento – Por Kisshomaru Ueshiba

01/08/2012

x

A única maneira de apreender o significado do Aikidô e de obter algum benefício, palpável ou não, é praticar realmente a arte. A maioria dos praticantes passou por um processo assim: começam com dúvidas e perguntas, são iniciados na prática e gradualmente se familiarizam com o método e a forma do Aikidô. Mais tarde, sentem sua irresistível atração, e por fim, obtêm certa compreensão de sua profundidade imensurável. Quem tenha percorrido este ciclo terá aprendido várias coisas sobre o Aikidô que o tornam uma arte marcial singular.

Em primeiro lugar, a pessoa se surpreenderá. Diferentemente da aparência suave vista nas demonstrações públicas, o Aikidô pode ser realmente duro, vigoroso e dinâmico, com chaves de pulso fortes e golpes diretos (atemi). A despeito do que poderia supor, o Aikidô dispõe de várias técnicas devastadoras, especialmente as destinadas a desarmar e a dominar o inimigo.

Em seguida, ela ficará chocada ao descobrir o quanto é complicado e difícil, mesmo no nível de principiante, executar as técnicas e movimentos básicos, tais como as quedas (ukemi), o distanciamento adequado (ma-ai), a entrada (irimi), e outros movimentos de corpo (tai sabaki). O fato é que o corpo todo, não apenas os braços e as pernas devem mover-se com rapidez, vigor e potência. É necessário um grau extraordinário de concentração mental e de agilidade, de equilíbrio e de reflexos para atuar com suavidade e rapidez.

Perceberá também a importância do controle da respiração, que inclui não somente a respiração normal, mas algo mais que se conecta com a energia Ki. Este domínio do poder de pulsação é a base para a execução de qualquer movimento e garante a continuidade do fluxo dos movimentos. Além disso, está intimamente relacionado com a filosofia do Budô desenvolvida por mestre Ueshiba, como veremos adiante.

Por fim, à medida que o aluno avança, ficará admirado com o incontável número de técnicas, com suas variações e aplicações, toda caracterizadas pela racionalidade e economia. Só depois de experimentar a complexidade dos movimentos do Aikidô é que ele terá condições de apreciar o valor central do ki, tanto o individual como o universal. E então começará a sentir a profundidade e o refinamento do Aikidô como arte marcial.

Em síntese, somente através de um treinamento efetivo no Aikidô é que podemos compreender a plenamente a dimensão essencial do Budô — o treinamento constante da mente e do corpo como disciplina básica para os seres humanos que trilham o caminho espiritual. Só então podemos compreender completamente a recusa de competições e torneios de Aikidô e o motivo que justifica as demonstrações públicas como sendo uma amostra de treinamento constante, e não de exibição de ego.

 

Trecho do livro “O Espírito do Aikido”.

 x 

Colaboração:

www.impressione.wordpress.com

x


%d blogueiros gostam disto: