Projeto regulamenta prática e ensino de lutas e artes marciais – Por Rodrigo Bittar

17/04/2011

O instrutor deverá ter título similar a faixa preta, reconhecido por organização estadual ou federal. A proposta dispensa certificação de nível técnico ou universitário.

A Câmara analisa o Projeto de Lei 7890/10, do deputado Roberto Santiago (PV-SP), que cria regras para o ensino e a prática de lutas e artes marciais.

A proposta considera artes marciais, entre outras, aikidô, capoeira, iaidô, hapkidô, judô, jiu-jitsu, karatê, kendô, kenjutsu, kyudô, kung-fu, muay thay, sumô, taekwondô e tai chi chuan. Já as lutas são boxe, luta livre, luta greco-romana, kick boxing, full contact e similares.

Para se profissionalizar nas práticas, o atleta deverá obter a condição mínima de faixa preta ou título similar concedido por organização estadual ou federal que represente, oficialmente, a respectiva arte marcial ou luta.

Pela proposta, essa organização estadual ou federal fica desobrigada a se filiar a entidade oficial do país de origem da atividade, e o profissional é dispensado de obter qualquer curso de nível técnico ou universitário.

Só profissionais poderão ser considerados instrutores de artes marciais e de lutas. Eles terão entre suas competências:

– oferecer aulas teóricas e práticas da modalidade na qual for graduado, zelando pela correta informação, não apenas dos aspectos técnicos e mecânicos dos movimentos marciais, mas também dos fundamentos filosóficos e dos fatos históricos que deram origem à arte ou à luta;

– organizar, coordenar, dirigir e executar treinamentos, aulas demonstrações e seminários; e

– planejar, regulamentar e executar competições.

A prática e o ensino das artes marciais e de lutas deverão ficar restritas ao interior das academias, associações, clubes ou entidades públicas ou particulares criados ou destinados para tal fim, dotados de instalação e material apropriados. Essa exigência não é feita para a realização de demonstrações, seminários e simpósios ou competições em locais públicos autorizados pelas autoridades competentes.

Requisitos de funcionamento:

O projeto estabelece as seguintes exigências para o funcionamento dos estabelecimentos de prática e ensino de artes marciais e lutas:

– o ensino deve estar a cargo de profissional habilitado;

– o responsável técnico deve ter certificado de nível médio de ensino e de noções básicas sobre anatomia humana e primeiros socorros;

– as respectivas federações ou confederações deverão ser informadas sobre as promoções nos exames de graduação, para efeito de controle e de fiscalização;

– deverão privilegiar a formação humanista, o caráter e o espírito de cidadania, de sociabilidade e de solidariedade dos praticantes;

– deverão considerar o cuidado com a preservação da integridade e saúde física e o equilíbrio psíquico dos praticantes.

Pela proposta, o aluno interessado em se matricular em academias, associações, clubes ou demais entidades de ensino e prática de artes marciais e de lutas deverá apresentar atestado médico de capacitação física.

Por fim, o projeto estabelece que os profissionais de artes marciais ou de lutas, sejam ou não os responsáveis técnicos pela academia, assim como os instrutores e auxiliares de ensino, são solidariamente responsáveis por quaisquer danos (material ou moral) que venham a causar aos alunos e à sociedade como um todo.

Estudos comprovam os benefícios para a saúde física e mental com a prática de artes marciais e de lutas, além de ser, também, importante instrumento de inclusão social”, argumenta o deputado.

Por outro lado, a prática e o ensino inadequados dessas atividades podem levar a lesões físicas ou mesmo à deformação do caráter de seus praticantes, ao invés de edificá-los. Além disso, o treinamento desportivo de alto nível precisa ser planejado e realizado de acordo com as informações científicas mais atualizadas”, conclui.

Tramitação:

O projeto tramita apensado ao Projeto de Lei 2889/08, que cria os conselhos federal e regionais de profissionais de artes marciais. As propostas serão analisadas, em caráter conclusivo, pelas comissões de Turismo e Desporto; de Trabalho, de Administração e Serviço Público; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da Proposta:

PL-7890/2010

 

Colaboração: Agência Câmara de Notícias – www2.camara.gov.br/agencia


Faixa-Preta e Trabalho Voluntário – Por Bete Romanzini

13/10/2008

Eu gosto de trabalho voluntário. Sempre gostei. Não acho que seja daquelas coisas que a gente deva pensar em fazer quando ficar velho, quando tiver mais dinheiro ou mais tempo. Trabalho voluntário é pra ser feito  sempre, porque tem tanto trabalho a ser feito, que não dá pra ficar escolhendo o melhor momento.

 

Fui voluntária num brechó que a Casa da Criança promoveu recentemente. Trabalhamos a tarde toda, eram muitas roupas e artigos a venda, e muitos visitantes. No mesmo dia, havia na casa uma apresentação de Taekwondo, da Academia Unidos, de Farroupilha. Final do brechó, ficamos nós, os voluntários, com os pés cansados, e aquela montoeira de roupas e móveis para arrumar e deixar a casa pronta para o outro dia. Começamos a arrumar tudo, muito rápido, coisas pesadas, cada um fazendo o que podia. Tenho a mania de me reservar o trabalho pesado, ou ele se reserva pra mim, não sei bem. Comecei a arrastar uns bancos que foram levados até o outro salão, para o Taekwondo usar. De mim se aproxima um rapaz do Taekwondo, de feições levemente orientais (coisa rara na Serra), e segura a outra ponta do banco. Sem falar nada, começamos a trazer os bancos de volta. Foram várias viagens, em total harmonia, às vezes ele conduzindo, às vezes eu. Só trocamos uma palavra, no final: obrigado. Pensei com meus botões: só pode ser um faixa-preta. Também não perguntei, mas tenho certeza que era. A energia de um bom faixa-preta, não importa de qual arte, não perde tempo perguntando o que precisa fazer. Faz. Põe a mão na massa e começa ou continua um trabalho, que, é óbvio, precisa ser feito.

 

Se você escutar alguém perguntando: o que é pra fazer? Tenha certeza: ou é iniciante, ou está querendo atenção, ou espera que alguém lhe passe um trabalhinho legal, fácil, só pra constar. Faixa-preta deve ter passado dessa fase. Simplesmente vai lá e faz, seguindo as regras do bom senso. E tampouco faz para ser um exemplo. Não! Faz porque tem de ser feito.

 

Faixa-preta é o primeiro que acorda e o último que vai dormir. Serve o copo dos outros antes do seu. Não vai embora sem limpar tudo. Não é um super herói.  Mas é uma pessoa esforçada. Sem pretender, ele dá o exemplo. Este é o exemplo positivo de faixa-preta. E temos os exemplos negativos, que existem nas artes para que a gente possa compreender como NÃO SER um faixa-preta. Tem os que pensam que o mundo inteiro tem de saber que eles são maravilhosos mestres faixas-pretas, de tantos dans, mesmo o caixa do banco tem de chamá-lo de sensei, e atendê-lo antes dos outros pobres e reles mortais. Esse faixa-preta quer que os outros lhe sirvam. Senta numa mesa separada, e enquanto os mortais tomam água, ele toma vinho, em taça de cristal. Só ele. Isso só para dar um exemplo. Se alguém se comporta assim à mesa, também se comporta assim na vida. Dá patadas em alunos, e diz que o mestre deve fazer isso. Está “educando” os alunos. Esse faixa-preta está acima das regras de boa educação e cortesia. É tão bom, que é difícil ser bom o suficiente para privar da sua companhia. Na verdade, isso é uma doença patética, da qual todos devemos, à todo custo, nos distanciar. Uma malversação do significado de servir aos outros e assim servir a si mesmo.  Para eles, é servir somente a si mesmo. E fazem isso acreditando piamente que estão ajudando os outros. E o trágico é que nunca conseguiram se educar, nem ao menos um pouquinho.  Perderam tempo e desperdiçaram os ensinamentos dos professores. Graças aos bons espíritos das artes marciais, faixas-pretas de verdade continuam a existir em todas as artes. Como aquele rapaz do Taekwondo.

 

Bete Romanzini – 42 anos, terapeuta corporal, especialidade em shiatsu. Iniciou Aikidô em Porto Alegre, com Vargas Sensei. Graduou-se faixa-preta em 2002, em São Paulo, com Kawai Shihan. Em Farroupilha e Caxias do Sul, desde 2004. Graduou-se 2º dan em 2006.

 

Colaboração: www.aikidoserragaucha.com.br


%d blogueiros gostam disto: