O Projeto Aikidô e a Especialização em Psicologia Transpessoal da UFRN

23/05/2011

O Projeto Aikidô da Escola Municipal São Francisco de Assis foi exemplo prático para um grupo da Especialização em Psicologia Transpessoal da UFRN, em uma intervenção junto aos professores de um colégio público no bairro de Guarapes, em Natal/RN.

O Professor, e Sensei de Aikidô – 3° Dan, James Carlos da Silva Araújo fez uma apresentação falando sobre o dia-a-dia dos professores, perpassando pela problemática da sexualidade, violência, cansaço da repetição de uma mesma aula em salas diferentes e em horários diferentes, o stress de elaboração constante de provas e testes e a correção dos mesmos.

O referido Mestre reforçou falando do aparecimento da chamada Síndrome de Burnout, que é a permanência dos estressores diários, que tem como causadores os eventos citados acima.

E o Aikidô, onde entra? 

O Aikidô, através do exemplo do Projeto Aikidô da Escola Municipal São Francisco de Assis, entra como um suporte para o “alívio” dos estressores. A idéia de saber se relacionar com as pessoas e com você mesmo, traz, inevitavelmente, a mudança de conceitos, de consciência. Assim sendo, por mais que existam situações difíceis, cobranças, a nossa mente estará mais preparada para aceitar os estressores e, por isso, existirá uma mudança de comportamento que será transmitida para todos que os cercam. Inquestionavelmente, o ambiente de trabalho terá mais qualidade.

Colaboração: www.impressione.wordpress.com


Abençoa e Passa – Por Chico Xavier e Emmanuel

12/06/2009

Não basta recear a violência. É preciso algo fazer para erradicá-la.

Indubitavelmente, as medidas de repressão, mantidas pelos dispositivos legais do mundo, são recursos que a limitam, entretanto, nós todos, – os espíritos encarnados e desencarnados, – com vínculos na Terra, podemos colaborar na solução do problema.

Compadeçamo-nos dos irmãos envolvidos nas sombras da delinqüência, a fim de que se nos inclinem os sentimentos para a indulgência e para a compreensão.

Tanto quanto puderes, não participes de boatos ou de julgamentos precipitados, em torno de situações e pessoas.

Silencia ante quaisquer palavras agressivas que te forem dirigidas, onde estejas, e segue adiante, buscando o endereço das próprias obrigações.

Não eleves o tom de voz, entremostrando superioridade, à frente dos outros.

Não te entregues à manifestações de azedume e revolta, mesmo quando sintas, por dentro da própria alma, o gosto amargo dessa ou daquela desilusão.

Respeita a carência alheia e não provoques os irmãos ignorantes ou infelizes com a exibição das disponibilidades que os Desígnios Divinos te confiaram para determinadas aplicações louváveis e justas.

Ao invés de criticar, procura o lado melhor das criaturas e das ocorrências, de modo a construíres o bem, onde estiveres.

Auxilia para a elevação, abençoando sempre.

Lembra-te: o mourão aceso é capaz de gerar incêndios calamitosos e, às vezes, num gesto infeliz de nossa parte, pode suscitar nos outros as piores reações de vandalismo e destruição.

Francisco Cândido Xavier. Da obra: Atenção. Ditado pelo Espírito Emmanuel. 16 edição. Araras, SP: IDE. 1997.

Colaboração: http://www.geocities.com/reflexaoespirita  


%d blogueiros gostam disto: