Aikidô – Técnicas Básicas – Kihon Waza – Por Morihiro Saito Shihan

20/02/2013

.

A importância de uma sólida compreensão das técnicas básicas não pode ser deixada de lado. Muitas escolas de Aikidô ensinam principalmente Ki no Nagare, ou seja, técnicas com fluidez de Ki. Neste tipo de treinamento, as técnicas são executadas a partir de um movimento inicial dispensando totalmente a prática básica onde você permite ser agarrado firmemente. Este tipo de prática pré-arranjada é bem sucedida somente quando ambos os parceiros cooperam completamente. Problemas ocorrem, no entanto, quando estudantes acostumados somente com este tipo de treinamento são confrontados com um oponente forte e não cooperativo. Treinando-se somente Ki no Nagare fica-se totalmente despreparado para a força e ferocidade de um ataque real. Os ataques fracos e não diretos realizados neste tipo de treinamento são comuns no moderno Aikidô, no entanto este modo de treinamento é totalmente contrário aos princípios marciais ensinados pelo fundador.

Aqueles que praticam as técnicas básicas, opostamente àqueles que treinam exclusivamente as técnicas em Ki no Nagare, aprendem como lidar progressivamente com ataques fortes. A fim de realizar isto, você deve estar certo de que quando estiver agarrando seu parceiro de treinamento, esteja fazendo-o firmemente e com uma real intenção. Se seu parceiro é incapaz de mover-se, então diminua a força de seu ataque até que ele ou ela seja capaz de executar uma técnica apropriada. Sempre regule a intensidade de seu ataque ao nível de seu parceiro.

No treinamento básico, todas as técnicas começam a partir de um Hanmi, ou postura preparatória. O Hanmi no Aikidô é uma postura triangular com o pé da frente voltado para frente e o pé de trás perpendicular ao frontal e voltado para o lado. A capacidade de mudar de posição rapidamente mantendo-se estável e girando os quadris completamente, depende de um apropriado Hanmi. As duas posições mais comuns são: Gyaku Hanmi (posição invertida) e Ai Hanmi (posição igual). Em Gyaku Hanmi você e seu parceiro têm os pés opostos à frente, enquanto que em Ai Hanmi ambos têm o mesmo pé a frente. Esta distinção é muito importante e, na maioria das vezes, o sucesso na execução das técnicas do Aikidô dependerá de iniciá-las no Hanmi apropriado.

Uma deficiência comum no treinamento de hoje é a falta da prática dos Atemi, ou ataques em pontos vitais. Os Atemi são usados para enfraquecer ou neutralizar um ataque do oponente para criar-se assim uma situação favorável na qual se pode executar uma técnica. Em muitas situações é virtualmente impossível desequilibrar um oponente forte, suficientemente para aplicar uma técnica sem recorrer-se ao Atemi. Aqueles que afirmam que o uso de tais ataques (executados com o intuito de tirar atenção do oponente do objetivo principal da técnica) é muito violento ou “não é Aikidô” ignoram os conceitos do Aikidô ensinados pelo fundador que dava grande ênfase sobre a necessidade de tais movimentos durante o treinamento. Os Atemi são uma parte essencial das técnicas básicas e também avançadas, e não devem ser omitidos de sua prática.

O fundador sempre iniciava as sessões práticas com os exercícios de Tai no Henko e Morote Tori Kokyo Ho. Ele terminava cada prática com o treinamento de Suwari Waza Kokyu Ho. Os exercícios de Tai no Henko constituem a base dos movimentos Ura, ou movimentos girando, e os dois Kokyu Ho, ou métodos de respirar, ensinam como respirar corretamente, a coordenação apropriada do corpo e como estender o Ki intensamente.

No treinamento do Aikidô nós abrimos nossos dedos para estender o Ki através dos braços. Abrir os dedos é uma forma de aprender as técnicas básicas, um treinamento que permitirá a você executá-las sem usar qualquer força. Abrindo os dedos quando seu pulso é subitamente agarrado torna-o mais grosso, e dá a você uma vantagem. Para aqueles aprendendo defesa pessoal é dito para abrirem seus dedos quando agarrados porque o braço torna-se difícil de segurar.

O Ki é algo adquirido naturalmente através da correta prática dos fundamentos básicos. Se você se preocupar de mais com o Ki, você será incapaz de mover-se. O Ki se manifestará por si mesmo naturalmente se você estiver treinando corretamente. Uma vez que você tenha desenvolvido o Ki, este fluirá livremente através de suas mãos mesmo quando seus dedos estiverem relaxados.

O fundador considerava as técnicas de Ikkyo até Sankyo como sendo movimentos preparatórios ao Aikidô. No Ikkyo você treina seu corpo; no Nikyo você “dobra” seu pulso para dentro estimulando e fortalecendo as juntas; no Sankyo você move seu pulso para fora na direção oposta. Através da prática destas técnicas, você desenvolve um corpo capaz de derrotar um inimigo com um único golpe. Estas técnicas básicas são sua preparação, e o treinamento nas técnicas do Aikidô começa através delas.

Outra parte essencial do treinamento dos fundamentos do Aikidô é o domínio da entrada e dos movimentos de giro. Se você decide avançar, você deve avançar totalmente. Se você decide girar para trás deve fazê-lo completamente. É difícil avançar depois de desviar um golpe, a menos que você possua uma vantagem em força. Portanto, gire sempre que necessário, como quando estiver em uma situação onde você seja incapaz de bloquear. A prática de técnicas girando é também necessária para se aprender como mover-se livremente.

Recentemente, o Termo “Takemussu Aiki” tem sido usado bastante livremente, porém parece que poucas pessoas compreendem seu significado. Takemussu Aiki refere-se a um estado onde técnicas nascem infinitamente como resultado do estudo dos princípios do Aikidô.

No treinamento do Aikidô – que inclui técnicas de mãos vazias, Aiki Ken e – é importante fazer claras distinções. Estas incluem as distinções entre Ikkyo e Nikyo, Omote e Ura, técnicas básicas e Ki no Nagare, e técnicas aplicadas (Oyowaza). Em uma recente viagem à Itália, experimentei executar tantas técnicas quanto podia. Concentrando-me apenas sobre as técnicas básicas, Ki no Nagare, variações e técnicas aplicadas, acabei por realizar mais de 4 centenas de técnicas, e estou certo de que o número teria subido para mais de 6 centenas caso tivesse incluído técnicas partindo da posição sentada, Hanmi Handachi (Atacante em pé, defensor sentado), e técnicas de contra-ataque.

Não importa quão esplendidamente as pessoas escrevam sobre Takemussu Aikidô, eles devem ser capazes de executar estas maravilhosas técnicas por si mesmas, se eles estão sendo considerados como professores. Se vocês continuarem a praticar assiduamente de acordo com o método tradicional, alcançarão o estágio onde serão capazes de executar um número infinito de técnicas desde as básicas até as mais avançadas.

.

Tradução: Sensei Rubens Caruso Jr.

.

Colaboração:

www.impressione.wordpress.com

www.aikidonovaera.com.br

.

Anúncios

Aulas para crianças no Tensei Dojo – Aikidô na Serra Gaúcha – RS

17/10/2008

O texto que segue retrata um treino de Aikidô voltado para crianças. O Tensei Dojo fica no Rio Grande do Sul, mas a experiência que lá se observa se repete em qualquer canto do país em que algum faixa-preta se atreva a dar treino de Aikidô para crianças. A dificuldade é tamanha. Indisciplina inicial, inquietude, agressividade, dentre outras péssimas atitudes é lugar comum no início dos trabalhos, mas o resultado é de gratificação imensurável. Após poucos encontros a forma de se portar das crianças já muda, a atenção e a curiosidade se instalam e logo se observa a evolução pessoal de cada uma. No Rio Grande do Norte não é diferente, o Projeto Aikidô – já tratado neste blog e que funciona na Escola Municipal São Francisco de Assis, em Natal/RN – é testemunha desta mesma situação que foi apresentada no Rio Grande do Sul. No início a inquietude, com o passar do tempo a descoberta do novo e a evolução. Pois é… criança é criança e Aikidô é Aikidô.

 

Segue o texto:

 

A primeira coisa que se pede de uma criança que está chegando ao Dojô, é que ela tire os sapatos e os troque por chinelos. Entrando no tatame, ela é instruída a colocar os chinelos ao lado do tatame,  apontando para o lado de fora.

 

O hábito de tirar os sapatos ao chegar vem do Japão, e tem significados muito mais profundos do que a higiene simplesmente. Entre outros pontos, diferencia o exterior do interior, e não se traz para o interior as coisas negativas do exterior. Um ditado Zen diz que se você não consegue, ao menos, alinhar seus sapatos, será muito difícil encontrar a harmonia no mundo em torno de você.

 

Antes dos treinos, um tempo livre é deixado às crianças no tatame. E o que se vê são crianças brincando. Correm muito, se agarram, os menores provocando os maiores,  eventualmente jogam futebol, brincam de lutinhas, discutem, um ou outro fica emburrado, chorando num canto.

 

Às palavras “Vamos alinhar”, do instrutor, muitas coisas se seguem. Várias crianças estão completamente suadas, dogis abertos, calças caindo e faixas por amarrar. Um tempo é dedicado então, pelo instrutor a ajudar a alinhá-las. Quando isso está pronto, uma criança pede para tomar água. Outra pede para ir ao banheiro. Não se permite a saída durante o treino para ir ao banheiro ou tomar água, elas sabem que a hora é agora. Mais um tempo é concedido para essas necessidades.

 

Agora estão todos alinhados, prontos para o cumprimento ao Fundador, um dos menores está virado de costas, por alguma estranha razão ele insiste em cumprimentar para o outro lado. Dois dos maiores começam a discutir um assunto qualquer, que parece muito importante. O aluno mais antigo chama os outros, manda-os ficarem quietos. O instrutor chama todos: vamos cumprimentar, seiza!

Finalmente, o cumprimento é feito para o fundador e entre crianças e instrutor.

 

O instrutor começa o alongamento, as reclamações de dores começam, todos conseguem ir acompanhando, o instrutor vai constantemente chamando a atenção de um e outro. Treino de giros e deslocamentos, os mais experientes conseguem acompanhar, um garoto menor chora, diz que não consegue fazer. Um aluno mais antigo se coloca ao lado dele, e tenta ensiná-lo. O menino pára de chorar. Treinar rolamentos, o grande momento: é sempre um desafio conseguir rolar mais alto, sem se machucar. Os menores querem imitar os maiores, o instrutor os acalma, os maiores rolam com energia, sem medo, e pedem constantemente ao instrutor: Sensei, sensei, está certo assim?

 

O instrutor mostra um movimento de Aikidô e pede que todos chamem um parceiro para treinar. As duplas se formam, crianças habituadas a treinar umas com as outras chamam sempre os mesmos parceiros. Um garoto sobra, senta num canto, diz que não quer treinar. Um dos maiores percebe e vai chamá-lo, depois de alguma conversa, estão treinando juntos. Crianças que estão vindo pela primeira vez ficam tímidas, e os mais antigos vão chamá-las para treinar e tentam, com muito afinco, explicar os movimentos e ajudá-las. Eventualmente, elas se cansam e pedem para fazer outra coisa, porque isso está chato.

 

Um novo movimento é mostrado, e o instrutor pede que se troque de parceiros, treinar com alguém que nunca treina. Novas tentativas, outro garoto sobra. O instrutor o ajuda a encontrar uma dupla. Procurando interferir o mínimo possível no inter-relacionamento das crianças, o instrutor espera ser realmente necessária sua intervenção.

 

Eventualmente, o instrutor inicia treino com bastões (Jô). Todos gostam, fazem movimentos imitando lutas vistas em filmes. O instrutor pede que todos se afastem uns dos outros, para não se machucarem. Os movimentos mostrados são facilmente assimilados por algumas crianças, enquanto outras têm muita dificuldade, mas continuam tentando, estimulados pelo que os colegas estão fazendo. Aos poucos, o treino vai silenciando, todos muito concentrados descobrindo os movimentos com o bastão. Depois de algum tempo, um dos menores cansa, senta e diz que dói o braço.

 

O instrutor pede que todos guardem o bastão, e sugere um jogo. Entusiasmadas, as crianças se dividem em grupos, fazem as regras, e solicitam ao instrutor que seja o juiz.

 

Hora de terminar, o instrutor diz “Alinhar”, alguns reclamam, querem mais brincadeiras, sentam, conversam, um mais apressado sai correndo para pegar os chinelos. O instrutor chama a todos, pede silêncio, de novo o garoto menor se vira para o outro lado para cumprimentar, o instrutor o chama de volta. Finalmente, todos quietos e alinhados, cumprimentos ao Fundador e entre o instrutor e as crianças. Alguns correm para o banheiro, outros para tomar água, outro vê seu pai chegando para buscá-lo e reclama que é muito cedo, alguns querem brincar mais no tatame. Outro sai correndo, coloca os sapatos, e quando chega à porta, lembra de algo, volta correndo, abana e diz “tchau, Sensei.”

 

Esse é um retrato de um treino infantil de Aikidô no Tensei Dojô. Sutilmente, noções de cooperação são reforçadas, a boa convivência é estimulada, e crianças aprendem Aikidô brincando, sem perceber. Não havendo competição no Aikidô, as crianças se sentem livres para serem o que são e para ajudar umas às outras. Naturalmente solidárias, as crianças encontram um ambiente onde podem exercer essa qualidade livremente.

 

Artes marciais inteligentes deveriam fazer parte do currículo de toda escola. As noções de disciplina, respeito, concentração ajudariam muito a recuperar valores que estão se perdendo, cada vez mais rápido, na educação das crianças. Professores não conseguem manter a atenção dos alunos, está cada vez mais difícil ensinar, pois ninguém mais tem coragem de disciplinar, sob risco de perder o emprego de professor.

 

A capacidade de:

– agüentar frustrações;

– continuar treinando, um dia treino bom, noutro dia treino ruim;

– resolver os problemas com seu colega durante o treino, sem esperar pela ajuda do professor, dos pais;

– aprender a se controlar, física e emocionalmente;

– superar a sede, o calor, a vontade de ir ao banheiro;

– respirar, concentrar-se e executar os movimentos;

 

Estes são alguns pontos do aprendizado das artes marciais inteligentes. Alguém pode negar que isso ajudaria a formar profissionais melhores qualificados, pessoas mais felizes emocionalmente, capazes de interagir com o mundo de maneira positiva?

 

Colaboração: www.aikidoserragaucha.com.br 


Da arte da paz – Por Paulo Coelho

09/10/2008

Das poucas artes marciais que pratiquei em minha vida, a que mais me seduziu foi o Aikidô. Criado pelo japonês Morihei Ueshiba (1883-1969), a palavra quer dizer “A arte (ou o caminho) da paz. ” (*)  Lembro-me de passar noites a fio com meus companheiros, aprendendo a lutar de tal maneira que toda a energia negativa do adversário fosse dirigida contra ele mesmo. Ueshiba, que é conhecido pelos praticantes de Aikidô como “O Grande Mestre”, deixou uma série de práticas filosóficas suas conferencias, poesias, e conversas com  discípulos; a seguir, alguns de seus principais ensinamentos.

 

Onde começa a arte da paz

 

A arte da paz começa em você; trabalhe para conseguir com que ela permaneça ao seu lado. Todo mundo possui um espírito que pode se aperfeiçoar, um corpo que pode ser treinado, e um caminho a seguir.

 

Você está aqui para cumprir com estas três metas, e para isso são necessárias duas coisas: manter a tranqüilidade, e praticar a Arte em cada coisa que fizer. Nenhum de nós precisa de dinheiro, poder ou status para praticar a Arte; neste exato momento você está com os seus pés no Paraíso, e deve treinar agora.

 

O universo e o homem

 

Tudo no universo vem da mesma fonte. Esta fonte, que chamamos de vida, contem o nosso passado, o presente, e o futuro. Na medida que o homem caminha adiante, ele pode desintegrar ou harmonizar a energia vital. O mal nasce no momento em que passamos a acreditar que é apenas nosso aquilo que pertence a todos; isso provoca soberba, desejos inúteis, e raiva. Mas aquele que não é possuído pelas coisas, termina sendo dono de tudo.

 

O homem e a as oito forças

 

Para praticar a Arte da Paz, é preciso, em algum momento, mergulhar alternadamente nas oito forças opostas que sustentam o Universo:

 

  • Movimento e inércia
  • Solidez e adaptação,
  • Contração e distensão,
  • Unificação e divisão.

 

Isso está presente em tudo, da vastidão do espaço à menor das plantas; cada coisa traz em si uma reserva gigantesca da energia universal, que pode ser usada para o bem de todos.

 

O crescimento constante

 

A vida é desenvolvimento. Para atingir isso, suba as montanhas altas e desça até os vales profundos de sua alma. Inspire e sinta que está sugando para dentro de si tudo o que existe nos céus e na Terra. Expire e sinta que o ar que sai do seu corpo carrega a semente da fecundidade, e irá  fazer a humanidade ser mais verdadeira, melhor, e mais bela. 

 

A respiração infinita

 

Tudo que existe acima e abaixo, também existe dentro de você. E tudo respira; quando você perceber isso, irá também compreender a Arte da Paz. Aqueles que a praticam, sabem que são guerreiros protetores da Mãe Natureza, e em cada respiração estão colocando dentro de si o sol e a lua, o paraíso e o mundo, a maré alta e a maré baixa, a primavera e o inverno, o verão e o outono.

 

Todo o aprendizado do homem pode ser resumido na maneira como respira conscientemente. Cada vez que faz isso, compartilha da energia poderosa que sustenta a Criação. 

 

A atenção consciente

 

Faça com que cada dia seja realmente novo, vestindo-se com as bênçãos do Paraíso, banhando-se em sabedoria e amor, e colocando-se sob a proteção da Mãe Natureza. Aprenda dos sábios, dos livros sagrados, mas não esqueça que cada montanha, rio, planta, ou árvore, também tem algo para lhe ensinar.

 

(*) Aikidô em tradução livre é “o caminho da harmonização das energias”.

 

 

Colaboração: www.aikidonovaera.com.br


A importância do uso do cinto de segurança no automóvel

15/09/2008

 

Atitude imprescindível nos dias atuais.

Os cintos de segurança são o meio mais eficaz que se dispõem para reduzir o risco de ferimentos graves e mortes em acidentes de automóvel. Para sua própria proteção e dos demais ocupantes do veículo utilize sempre os cintos de segurança quando o veículo estiver em movimento. Gestantes e pessoas fisicamente debilitadas também devem utilizar os cintos de segurança, elas estão mais propensas a ficarem seriamente feridas se não estiverem usando cintos de segurança.

O cinto de segurança é um dispositivo simples que serve para proteger sua vida e diminuir as conseqüências dos acidentes. Ele impede, em caso de colisão, que seu corpo se choque contra o volante, painel e pára-brisas, ou que seja projetado para fora do carro. Os passageiros sentados no banco traseiro, sem os cintos de segurança, não somente se põem em perigo, como também colocam em perigo os passageiros dos bancos dianteiros. Numa colisão frontal eles também se moverão para a frente onde podem bater e ferir o motorista ou passageiro do banco dianteiro.

Em uma colisão de veículos a apenas 40km/h, o motorista pode ser atirado violentamente contra o pára-brisas ou arremessado para fora do carro. Alguns motoristas pensam que podem amortecer o choque segurando firmemente no volante. Isto é ilusório, porque a força dos braços só é eficaz a uma velocidade de até 10 km/h.

Estatísticas sobre acidentes mostram que passageiros que usam corretamente os cintos de segurança, têm um risco menor de se ferirem e uma chance muito maior de sobreviverem num acidente. Por este motivo, a utilização dos cintos de segurança é exigida legalmente na maioria dos países.

ATENÇÃO: 8 em cada 10 pessoas que não usavam o cinto de segurança morreram em acidentes com pelo menos um dos veículos a menos de 20 km/h. Então não esqueça: Para um longo percurso rodoviário ou para percorrer apenas uma quadra dentro da cidade…

                                         USE O CINTO DE SEGURANÇA !!!

 

Major QOPM Airton Sérgio Diniz – Subcomandante do 2º Batalhão – Polícia Militar do Paraná

 

Colaboração: www.pmpr.pr.gov.br


Impressões

02/07/2008

Poucas coisas na vida são tão difíceis quanto dar um nome, seja a alguém ou a alguma coisa. O Nome é o que designa, caracteriza ou individualiza o ser. Neste Blog não poderia ser diferente. Como batizá-lo com um nome que o caracterizasse de forma objetiva e tivesse correlação com seu conteúdo? E se o referido nome fosse restrição aos assuntos apresentados? E o pior, se fosse restrição ao público? Tarefa difícil. Assim, depois de muita reflexão surgiu o nome IMPRESSÕES (do latim IMPRESSIONE). Segundo o Dicionário Aurélio, Impressões são os “estados físicos e psicológicos resultantes da atuação de elementos ou situações exteriores sobre órgãos dos sentidos; por intermédio deles; ou sobre o corpo; ou sobre a mente; sensações”. Pois bem, os leitores destes ensaios poderão observar impressões semelhantes às suas ou não. Mas isso é o que menos importa, pois serão apenas impressões.

IMPRESSÕES – www.impressione.wordpress.com

 


%d blogueiros gostam disto: